26°
Máx
19°
Min

Vereador eleito é preso por favorecimento à prostituição infantil

(Foto: Divulgação) - Vereador eleito é preso por favorecimento à prostituição infantil
(Foto: Divulgação)

Foi preso na manhã desta sexta-feira (14) o policial civil e vereador eleito Elielson Carlos de Araújo, o Tiguera (PTB). Eleito com 325 votos em Ibaiti (67 quilômetros de Santo Antônio da Platina), ele é suspeito de favorecimento de prostituição infantil no município. A prisão aconteceu como encerramento de uma operação deflagrada na quarta-feira (12) no centro da cidade, em que foi fechado um local por suspeita de prostituição de adolescentes.

A operação foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Londrina, pela Promotoria de Justiça do Ministério Público e pela Corregedoria da Polícia Civil. A investigação partiu de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça. Durante este trabalho, surgiram indícios de que havia adolescentes se prostituindo em um estabelecimento no centro da cidade. Na tarde de quarta-feira, o local foi fechado, mas nenhum adolescente foi encontrado.

Com as informações obtidas durante a operação e unindo as informações levantadas nas escutas telefônicas, as autoridades chegaram até Tiguera, que foi encontrado hoje pela manhã e preso preventivamente. Com a prisão do vereador, a operação foi concluída e o caso deve ser encaminhado à Justiça até o fim desta sexta. Como o caso envolve adolescentes e crianças, o processo corre sob segredo de Justiça e outras informações não foram divulgadas.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou, em nota, que abrirá um processo administrativo disciplinar para apurar o caso. Veja a nota na íntegra:

"Em paralelo ao procedimento criminal do Ministério Público, será aberto um processo administrativo disciplinar pela Corregedoria da Polícia Civil para apurar o caso. A direção da Polícia Civil enfatiza ainda que qualquer ato em desconformidade com as regras de conduta contidas nas leis e no estatuto da Polícia Civil será rigorosamente apurado, com pena de demissão do servidor público".