Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Vítimas de acidente na BR-277 estão em estado grave

Vítimas de acidente na BR-277 estão em estado grave

Duas vítimas do grave acidente registrado na manhã desta quarta-feira (14) na BR-277, em Morretes (Litoral do Estado), estão em estado grave. Tio e sobrinho estão internados no Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá.

O caminhão em que eles estavam bateu contra dois carros e depois caiu em uma ribanceira. O acidente aconteceu no quilômetro 34 da rodovia. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o veículo com placas de Brasília estava carregado de soja e seguia em direção ao Porto de Paranaguá.

A primeira colisão aconteceu no quilômetro 35,5, quando o caminhão bateu contra uma caminhonete e deixou seu motorista levemente ferido. Mais adiante, no quilômetro 34, o caminhão atingiu uma van ocupada por duas pessoas que não se feriram.

Vítimas

Após as colisões, o caminhão caiu em uma ribanceira com mais de 40 metros de altura. O motorista, de 41 anos de idade, e seu sobrinho, de 12, foram ejetados do veículo. Na avaliação da PRF, isso aconteceu porque, possivelmente, os dois estavam sem o cinto de segurança.

O motorista, de 41 anos, passou por cirurgia durante a tarde e o garoto está internado na UTI do hospital, em estado grave. O passageiro da caminhonete também foi encaminhado ao hospital, mas deve ser liberado nas próximas horas.

A filha do motorista, de 11 anos, morreu na hora e foi encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) de Paranaguá. Ela ainda não foi identificada. Os técnicos da unidade acreditam que a família era do estado de Mato Grosso.

Atualização

Segundo informações da Secretaria da Saúde, o motorista do caminhão está no centro cirúrgico do Hospital Regional de Paranaguá. O menino de 12 anos não sofreu ferimentos graves e aguarda a família para ser liberado. Já o motorista da caminhonete está na UTI em estado grave.

Colaboração Aline Peres e João Gimenes / Rede Massa