23°
Máx
12°
Min

“Quanto custa uma vida para a Prefeitura”, questiona moradora do Ganchinho

Há três anos moradores pedem lombada, mas Prefeitura não atende

Os moradores da Rua Alexandro Glenski, no Bairro Ganchinho vêm sofrendo há tempos com a falta de lombada e de sinalização adequada na via. Uma das moradoras, contou ao Portal Massa News, que “coleciona fotos de acidentes no local”. Sandra Mara Nascimento dos Santos, contou que o último acidente grave foi no fim de semana. “Um carro veio em alta velocidade, se perdeu ali, capotou e atingiu o ponto de ônibus”, diz. “Foi muita sorte não ter ninguém no ponto. O acidente aconteceu por volta de 3h30/4 horas e às 4h30 as pessoas já começam a tomar o ônibus”, acrescenta.

Sandra disse ainda, que há três anos eles protocolam pedidos de implantação de lombada e sinalização para a via e que já existe um projeto, mas, efetivamente nenhuma solução. “É muito arriscado, muito perigoso. O que a gente questiona é quanto custa uma vida para a Prefeitura”, desabafa. “Quantas pessoas precisarão morrer para eles tomarem uma providência”.

A moradora classifica o caso como “descaso” da administração pública. “Tem acidente direto aqui, é criança, idosos, trabalhadores. É muito, muito descaso, o que custa para a Prefeitura sinalizar e implantar as lombadas”, questiona.

Cansados do risco, que inclui ainda a ausência de calçadas para os transeuntes, que ou andam pela rua, ou caminham na terra e mato, os moradores se reuniram e se dispuseram a implantar a lombada, mas foram alertados pela Prefeitura que se fizerem isso, perderão tempo e dinheiro e ainda serão multados. “Eles disseram que vão destruir a lombada se fizermos, e ainda aplicar uma multa para a gente. Fazer eles não fazem, e ainda nos impedem de resolver o problema”.

A rua é estreita, não tem sinalização e ainda tem uma curva. 

A reportagem entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da secretaria de trânsito para verificar o posicionamento do órgão sobre o caso, o que impede que a Prefeitura atenda a necessidade dos moradores, mas não teve retorno.