26°
Máx
19°
Min

'Acarajé' decreta prisão de vice-presidente da Odebrecht

O juiz federal Sérgio Moro decretou a prisão temporária por cinco dias do vice-presidente da Odebrecht Engenharia e Construção no Brasil, Benedicto Barbosa da Silva Júnior (Infraestrutura), o 'BJ', no âmbito da Operação Acarajé, 23ª etapa da Lava Jato deflagrada nesta segunda-feira, em São Paulo, Rio e Bahia.

Moro acolheu representação da Polícia Federal, amparada também nos arquivos de mensagens recuperadas do celular do empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht, preso desde 19 de junho de 2015. Na avaliação da PF, 'BJ' desempenhava papel de contato político da companhia.

"No curso das investigações relacionadas ao Grupo Odebrecht foi possível identificar outros executivos que se encontravam proximamente vinculados ao presidente Marcelo Bahia Odebrecht, e sob os quais pairam indícios de que tenham ativamente participado da organização criminosa formada no âmbito daquele conglomerado empresarial para a prática de ilícitos penais", destaca relatório da PF. "Um deles é Benedicto Barbosa da Silva Junior, presidente da Odebrecht Infraestrutura."

Segundo a PF, a partir da análise de diálogos mantidos entre 'BJ' e Odebrecht, identificados nos aparelhos Blackberry apreendidos na residência do empreiteiro, "é possível verificar que Benedicto é pessoa acionada por Marcelo para tratar de assuntos referentes ao meio político, inclusive a obtenção de apoio financeiro".

Na decisão em que mandou prender o vice da Odebrecht, o juiz assinala que o executivo participou de reuniões com Odebrecht e o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu - preso desde 3 de agosto de 2015.

"Em vista da planilha e revendo as anotações constantes no celular de Marcelo Bahia Odebrecht, a autoridade policial identificou reuniões havidas em outubro de 2010 e abril de 2011, entre ele e José Dirceu de Oliveira e Silva, juntamente com pessoa identificada como 'FR', sigla correspondente a outro executivo da Odebrecht, Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis", anotou o juiz da Lava Jato.

Na representação pela prisão do executivo, a PF destacou trocas de mensagens, durante o ano de 2014, de 'BJ' com Odebrecht. "Embora as mensagens ainda precisem ser completamente elucidadas há indícios da prática conjunta de ilícitos", assinala Sérgio Moro. "Há menção à 'conta Pós Itália', o que pode ser uma referência a pagamentos posteriores àqueles constantes na planilha acima referida (de título 'Posição Programa Especial Italiano')."

O juiz da Lava Jato ressalta que em outra troca de mensagens "há referência a aparente pagamento de valores (cem mil reais) a autoridade com foro privilegiado em condições subreptícias". "Foi colhida prova relevante no sentido de que os crimes investigados envolvem uma série de fraudes documentais."

A PF assinala que os rumos da Operação Lava Jato foram discutidos por 'BJ' e Odebrecht. "É pauta das conversas entre Marcelo e Benedicto, momento em que abordam o 'alinhamento' de empresas reconhecidamente vinculadas ao sistema de cartelização."

"Marcelo Bahia Odebrecht é o verdadeiro gestor de tais 'créditos'. Benedicto Junior, por sua vez, desempenha posição igualmente relevante na administração da conta sub-reptícia. Basta lembrar que na planilha 'Posição-italiano 31072012MO.xls', a sigla 'BJ' é a que apresenta as maiores cifras, sendo permitida a conclusão de que a maior parte de recursos espúrios eram originados da área dentro da Odebrecht controlada por Benedicto Junior."

Para a PF, "são suficientes as provas indiciárias colhidas em esfera policial a justificarem a decretação de medidas cautelares em face de Benedicto Barbosa da Silva Junior".

Procurada, a Odebrecht confirmou a operação da Polícia Federal em escritórios de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, para o cumprimento de mandados de busca e apreensão e disse estar à disposição das autoridades para colaborar com a operação em andamento.