27°
Máx
13°
Min

Aécio acompanhará votação do impeachment em casa, em Brasília

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil) - Aécio acompanhará votação do impeachment em casa, em Brasília
(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), não deve vir ao Congresso Nacional para acompanhar a votação que pode autorizar a abertura do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Diferentemente de outros nomes da cúpula do partido no Senado, como o líder Cássio Cunha Lima (PB) e Ricardo Ferraço (ES), que já se encontram na Câmara, o senador vai assistir à votação pela TV, em sua casa em Brasília.

Outros senadores tucanos informaram que devem visitá-lo ainda neste domingo, mas apenas quando a votação estiver definida em favor do impeachment. A reunião teria um caráter de comemoração. Enquanto isso, Aécio Neves tem evitado assumir os holofotes na condução do processo do impeachment da presidente.

Durante esta semana, o PSDB estava otimista com a contagem de votos e senadores davam por "consumada" a votação deste domingo. Eles chegaram, inclusive, a anunciar a indicação dos três nomes que devem compor a comissão do impeachment no Senado, para onde o processo deve ir caso seja aprovado pela Câmara. Seriam eles o líder Cunha Lima, o paulista Aloysio Nunes, e o mineiro Antonio Anastasia, que seria o nome indicado pelo partido para assumir ou a relatoria ou a presidência da comissão do impeachment no Senado.

Hoje, entretanto, os senadores tucanos buscam discurso mais equilibrado. Alguns senadores disseram não estar tão seguros quanto à contagem de votos, e afirmaram que o cenário está apertado tanto para o governo quanto para os que são favoráveis ao impeachment. Eles defenderam a importância de se manterem presentes no Congresso e reforçar a pressão pelo impeachment.