27°
Máx
13°
Min

Aécio classifica como 'ataque' declaração de Gilberto Carvalho sobre empreiteira

(Foto: Beto Barata/Agência Senado) - Aécio classifica como 'ataque' declaração de Gilberto Carvalho sobre empreiteira
(Foto: Beto Barata/Agência Senado)

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) classificou como um "ataque" as declarações do ex-ministro Gilberto Carvalho ao jornal Folha de S. Paulo, de que o parlamentar mineiro é bancado pela construtora Andrade Gutierrez, investigada pela Polícia Federal dentro no âmbito da Operação Lava Jato. "É uma figura de menor estatura. Não merece sequer a minha resposta. Na verdade, o PT, acuado como está, esse senhor mesmo, alvo de tantas denúncias, passou a atacar os adversários. Eu estou pronto para o ataque não é de hoje", afirmou, sem mencionar quais as denúncias contra o ministro.

Aécio esteve em Belo Horizonte nesta segunda-feira, 7, para participar de encontro com correligionários sobre a sucessão do prefeito Marcio Lacerda (PSB). O senador afirmou estar acostumado ao embate com o PT. "Enfrento o PT há pelo menos duas décadas. Vocês aqui em Minas são testemunhas. Sei como agem. Sei o método que usam. Vimos isso nas últimas eleições. Na verdade, o PT tenta voltar seus ataques para a oposição. Deveria cuidar de se defender na Justiça. Seja esse cidadão (Carvalho), e vários outros que estão sendo acusados de vários crimes", disse.

Depois de governarem Minas por doze anos, PSDB e aliados perderam a eleição de 2014 para o PT. No mesmo pleito, Aécio, que se candidatou à Presidência da República, foi derrotado por Dilma Rousseff (PT) no Estado. O senador governou o Estado por duas vezes no período.

Manifestações

Aécio afirmou ainda estar "programando" participar da manifestação contra a presidente Dilma Rousseff marcada para o próximo dia 13. O senador, porém, disse que ainda não decidiu quais cidades pretende visitar na data, mas que deverá ir ao protesto que acontecerá na Praça da Liberdade em Belo Horizonte.

O senador criticou a possibilidade de realização de manifestação a favor do governo Dilma que partidos de esquerda e movimentos sociais cogitam marcar também para o dia 13. "Aí não é manifestação. É tentativa de confronto", afirmou.