22°
Máx
14°
Min

Ainda há tempo de a Câmara se redimir do que foi feito, diz líder do governo

O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), disse nesta segunda-feira, 9, que a decisão do presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA) anula o que foi feito "ao arrepio da lei". Para o petista, ainda há tempo de a Casa se "redimir" do que foi feito sob o comando do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que em sua avaliação conduziu o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff de forma "muito atabalhoada".

Guimarães lembrou que todas as solicitações feitas pelo advogado-geral da União, ministro José Eduardo Cardozo, foram atendidas e respeitaram a observação de que o direito de defesa da presidente não foi exercido em sua plenitude na sessão de votação do impeachment na Casa.

Guimarães afirmou que a decisão dá a chance da "legalidade" ser constituída e assim restabelece "a norma dentro da Casa", já que em sua opinião o processo estava "viciado".

O petista pregou que todos os atos de Cunha deveriam ser anulados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), uma vez que as ações do peemedebista foram "anulados de pleno direito". "Então a decisão do Maranhão não tem nada de intempestividade", concluiu.