22°
Máx
17°
Min

Aliados querem 'anistia' para Cunha

Fortalecido pela aprovação do prosseguimento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), conta com apoio de partidos do Centrão (PP, PR e PSD) e de parte da oposição para enterrar o processo por quebra de decoro no Conselho de Ética e salvar o mandato.

Aliados de Cunha dizem já ter maioria no conselho para salvá-lo. Hoje, têm o apoio de PR, PP, PTB, PRB, PSD, PSC, SD e parte do DEM para blindá-lo na Casa. Há uma avaliação entre os apoiadores do presidente da Câmara de que ele manterá o apoio do grupo. Também apostam na retribuição pelo avanço do impeachment contra Dilma, tocado por Cunha com celeridade. Um dos defensores dessa posição é o deputado Paulinho da Força (SD-SP), um dos mais aguerridos defensores de Cunha na Casa.

"Todo mundo sabe que sem Eduardo Cunha não haveria processo de impeachment, graças ao trabalho dele foi possível tirar o PT do poder", diz Paulinho, quando questionado se Cunha teria uma espécie de "anistia" pelos adversários de Dilma.

Um sinal da manutenção desse alinhamento foi o número de parlamentares que rebatiam os discursos contra Cunha na sessão de votação da admissibilidade do impeachment. Além disso, o peemedebista mantém ao redor líderes que despontam como possíveis candidatos à presidência da Casa em 2017.

Nos bastidores, aparecem como pré-candidatos o líder do PTB, Jovair Arantes (GO); o líder do PSD, Rogério Rosso (DF); o ex-líder do PR Maurício Quintella Lessa (AL); e o líder do PSC, André Moura (SE). Os quatro são potenciais herdeiros do grupo pró-Cunha na Casa.

É com esses líderes que os aliados esperam proteger o peemedebista. Cunha alimenta em todos eles a expectativa de lhe suceder com seu apoio. Na avaliação dos integrantes desse círculo, esse comportamento do presidente mantém o grupo unido.

Presidido pelo deputado José Carlos Araújo (PR-BA), o Conselho de Ética tem até 19 de maio para concluir a instrução e até 2 de junho para votar o parecer do relator Marcos Rogério (DEM-RO). Com as recentes mudanças na composição do colegiado, há sinais de que Cunha pode ter mudado a correlação de forças no grupo. Isso lhe permitirá enterrar eventual recomendação para cassação de mandato ou negociar uma punição mais branda.

Os aliados do peemedebista contam com o voto da novata Tia Eron (PRB-BA) para derrotar o grupo adversário. A deputada vem sendo disputada pelos dois lados e disse publicamente admirar o desempenho de Cunha no comando da Casa, mas ainda não deu sinais de como deve votar.

'Acordão'

Deputados do PT acusaram ontem o presidente da Câmara e a oposição de terem feito um "acordão" para aprovar o impeachment em troca da salvação do mandato do deputado. "Na votação de ontem (domingo), ele (Cunha) claramente mobilizou sua base para aprovar o impeachment em troca de ser isento de investigação", disse o líder do partido na Câmara, Afonso Florence (BA). "O próprio Cunha disse que poderia cair um dia, mas que Dilma iria atrás."

Henrique Fontana (PT-RS) diz que Cunha e outros deputados investigados na Operação Lava Jato esperam que, caso assuma a Presidência, Michel Temer dê um freio no trabalho da Polícia Federal. Temer já desmentiu essa versão e disse respeitar o trabalho da Polícia e do Ministério Público. Cunha é processado porque, após dizer à CPI da Petrobras que não tinha contas no exterior, a Lava Jato descobriu na Suíça contas que controla.

Cunha afirmou ontem não sentir constrangimento em continuar na presidência, embora seja processado no Conselho de Ética e responda a inquéritos no Supremo Tribunal Federal. "Acho engraçado quando vejo as entrevistas do advogado-geral da União (José Eduardo Cardozo) pedindo que o Supremo limite a denúncia contra a presidente. Mas quando se trata de mim, não tem limite", disse. Chamado de "gângster" pelo deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) e de "canalha" por Silvio Costa (PT do B-PE), Cunha disse que avalia processá-los.

Entre os tucanos, o discurso é que o foco será evitar manobras e aguardar o STF decidir o afastamento de Cunha.