23°
Máx
12°
Min

Aragão diz que vai adiantar recursos da PF para evitar 'chantagens políticas'

O ministro da Justiça, Eugênio Aragão, afirmou nesta terça-feira, 26, que vai adiantar todos os recursos previstos para o ano para a Polícia Federal para que a instituição não fique "a mercê de eventuais chantagens políticas" caso o impeachment da presidente Dilma Rousseff seja aprovado no Senado.

"Nós estamos garantindo que todos os recursos da Polícia Federal para até o final do ano lhe sejam já repassados antes do dia 11 de maio. E o que significa isso? Que a Polícia Federal não ficará a mercê de eventuais chantagens políticas", disse.

O valor total que a PF deve receber, segundo a previsão da lei orçamentária deste ano, é de R$ 160 milhões. A votação do impeachment no plenário no Senado está previsto para acontecer justamente no dia 11.

A declaração do ministro foi uma resposta ao questionamento sobre se a aprovação do afastamento de Dilma e a chegada do vice Michel Temer à Presidência ameaçaria o avanço das investigações da PF, como a Operação Lava Jato, a Zelotes e Acrônimos.

"A PF simplesmente fará o que tiver que fazer porque nós daremos todos os meios para isso. Nós podemos dizer que a Polícia Federal não precisará da classe política para trabalhar", afirmou.

Aliados de Dilma têm difundido a ideia de que Temer irá escalar um ministro da Justiça que consiga colocar um freio nessas apurações, especialmente a Lava Jato, onde nomes importantes do PMDB estão sendo investigados. Apesar das declarações, Aragão não citou o nome de Temer.

"Nós estamos cuidando para que não aconteça isso. Ao governo da presidente Dilma interessa, sobretudo, que a Justiça seja feita e os malfeitos sejam devidamente punidos. Tanto que nós, em momento nenhum interferimos, nas investigações, muito pelo contrário", disse.