22°
Máx
16°
Min

Itaú Unibanco e BankBoston são alvos da 8ª fase da Operação Zelotes

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta (1º) a 8ª fase da Operação Zelotes, batizada de caso Boston. As instituições financeiras alvos desta fase são Itaú Unibanco e BankBoston.

Estão sendo cumpridos 34 mandados, sendo 13 de condução coercitiva e 21 de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Pernambuco e Rio de Janeiro.

Segundo nota enviada pela PF, esta fase "aponta a existência, entre os anos de 2006 e 2015, de conluio entre um conselheiro do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) e uma instituição financeira. O esquema criminoso envolvia escritórios de advocacia e empresas de consultoria".

Os investigadores identificaram sucesso na manipulação de processos administrativos fiscais em ao menos três ocasiões, diz a nota.

OUTRO LADO

Em nota, o Itaú Unibanco confirma que as instalações do banco foram revistadas pela PF. "O objeto da operação foi a busca de documentos relativos a processos tributários do BankBoston", segundo o Itaú.

O comunicado diz que o acordo de compra das operações do BankBoston no Brasil não "abrangeu a transferência, para o Itaú, dos processos tributários do BankBoston".

"Esses processos continuaram de inteira responsabilidade do Bank of America. O Bank of America é, assim, o único responsável pela condução desses processos. O Itaú não tem qualquer ingerência em tal condução, inclusive no que se refere a eventual contratação de escritórios ou consultores", diz o banco em comunicado.

OPERAÇÃO ZELOTES

A Operação Zelotes investiga supostas organizações criminosas que atuavam na manipulação de processos e no resultado de julgamentos no Carf, causando prejuízo aos cofres públicos com a manipulação de julgamentos no órgão que é responsável por julgar recursos contra decisões da Receita Federal.

A primeira fase foi deflagrada em março de 2015.

Posteriormente, a operação também passou a investigar suposto pagamento de propina para a edição de medidas provisórias.

A operação já levou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, a virar réu em uma ação que tramita na Justiça Federal do Distrito Federal.