21°
Máx
17°
Min

Bittar diz que sítio foi reformado para receber acervo presidencial

O empresário Fernando Bittar, sócio de um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou à Polícia Federal, nesta quarta-feira, 16, que "parte das obras" no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP) foram realizadas "em razão da necessidade de recepção do acervo presidencial do então presidente da República".

Bittar é sócio de Fabio Luís Lula da Silva, o Lulinha na BR4, holding que controla a Gamecorp e dono oficial da propriedade rural que a Lava Jato diz pertencer ao petista. Além da suposta ocultação patrimonial, a força-tarefa de procuradores da República e delegados federais aponta que reformas realizadas no imóvel em 2011 e 2014 foram pagas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS e ocultaram propinas do esquema Petrobrás.

Ouvido em São Paulo pelo delegado Márcio Adriano Anselmo, Bittar disse que as obras "de segurança, instalação do gerador circuito fechado de TV" "foram realizadas diretamente" por ele.

O investigado confirmou que conheceu "Paulo Gordilho, funcionário da OAS, quando trataram da questão da reforma da cozinha do imóvel de Atibaia". Para a Lava Jato, a nova cozinha instalada em 2014 foi um "benesse" concedida pela empreiteira, a mando do seu ex-presidente José Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro, como contrapartida por contratos da Petrobrás.

Compra

Bittar contou para a PF que a ideia de compra do sítio de Atibaia "surgiu numa reunião familiar" entre ele, seus irmãos e o pai, Jacó Bittar ex-prefeito petista de Campinas, amigo de Lula desde a década de 1970. "Para que pudessem se reunir receber os amigos."

Ele confirmou que o valor do imóvel, quando foi comprado, em 2010, era de R$ 1,5 milhão, e que era composto por duas propriedades: o Sítio Santa Bárbara e o Sítio Santa Denise. Disse que não dispunha na época do dinheiro para pagar o dono. Foi quando teria proposto ao seu sócio Jonas Suassuna, dono do Grupo Editora Gol, que adquirisse uma das partes do Sítio Santa Bárbara.

Bittar afirmou à PF que a origem do dinheiro para compra de sua parte do sítio, correspondente a R$ 500 mil, foi feito com dinheiro emprestado pelo pai.

"Esses valores foram originados da conta bancária do pai do declarante para conta do declarante", registrou a polícia, no termo. "Esses valores foram registrados como empréstimo que posteriormente foi lavrado um contrato de doação do valor."

Ouvido pela PF em março, um funcionário da família Bittar que diz cuidar das propriedades do pai e dos filhos declarou não conhecer o Sítio Santa Bárbara, em Atibaia. Celso Viera Prado estava em outro imóvel rural registrado em seu nome, no município de Manduri (SP). No depoimento desta quinta-feira, Bittar citou os imóveis que tem em Manduri. Segundo ele, o sítio seria vendido em 2010 para que ele pudesse comprar a propriedade em Atibaia. Mas a venda não foi realizada após obter o empréstimo do pai e a parceria com o sócio.

Bittar disse que é sócio das empresas Coskin, G4 e BR4, sendo esta última uma holding com participação na empresa Gamecorp. Procurado por meio de sua defesa, o empresário não foi localizado para comentar o depoimento do funcionário, que disse desconhecer a propriedade em Atibaia.