21°
Máx
17°
Min

Bolsonaro diz não se preocupar com processo e que suas palavras são invioláveis

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse nesta terça-feira, 4, que não está "nem um pouco preocupado" com eventual continuidade do processo disciplinar no Conselho de Ética da Câmara. Hoje, o relator Odorico Monteiro (PROS-CE) defendeu o andamento do processo por considerar que Bolsonaro não poderia fazer um discurso dedicado ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido pela Justiça como torturador na ditadura militar.

Bolsonaro não compareceu à sessão do colegiado, chegou apenas no final para dar entrevistas. O deputado chamou o voto do relator de "hipócrita" e disse que a legislação considera que as opiniões e palavras de um parlamentar são invioláveis. "Ou temos imunidade ou não temos. Não vou ficar de cócoras para não ser punido", disse.

Na sessão plenária do dia 17 de abril, quando os deputados aprovaram a admissibilidade do processo de impeachment da hoje ex-presidente Dilma Rousseff, Bolsonaro fez um discurso que causou revolta no plenário. "Nesse dia de glória para o povo brasileiro, tem um nome que entrará para a história nessa data, pela forma como conduziu os trabalhos nessa Casa. Parabéns presidente Eduardo Cunha. Perderam em 64, perderam agora em 2016. Pela família e pela inocência das crianças em sala de aula, que o PT nunca teve. Contra o comunismo. Pela nossa liberdade contra o Foro de São Paulo. Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff. Pelo Exército de Caxias, pelas nossas Forças Armadas. Por um Brasil acima de tudo e por Deus acima de todos, o meu voto é sim", discursou.