23°
Máx
12°
Min

Bumlai diz em delação que empréstimo foi 'totalmente assumido' pelo PT

(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil) - Bumlai diz em delação que empréstimo foi 'totalmente assumido' pelo PT
(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou à Justiça Federal que o PT "assumiu totalmente" o empréstimo de R$ 12 milhões, tomado de forma fraudulenta em 2004, em seu nome, no Banco Schahin. A Operação Lava Jato descobriu que o valor nunca foi pago pelo partido e que o negócio foi compensado ao grupo empresarial com um contrato de US$ 1,6 bilhão, na Petrobras, cinco anos depois.

"O empréstimo foi assumido pelo PT, totalmente assumido pelo PT", declarou Bumlai. O pecuarista foi ouvido nesta segunda-feira, 30, pela primeira vez, pelo juiz federal Sérgio Moro, dos processos da Lava Jato, em Curitiba. Ele isentou Lula de responsabilidades no episódio.

O amigo de Lula é réu nessa ação penal, em fase final. Ele foi preso em novembro de 2015, alvo da 21ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Livre Acesso. Ele passou a cumprir prisão domiciliar em março, por problemas de saúde.

O pecuarista afirmou a Moro que "nunca esteve no banco solicitando esse empréstimo". Questionado qual o motivo da retirada, Bumlai afirmou que "eles (do PT) precisavam de um dinheiro para o segundo turno das eleições de 2004".

Bumlai contou as circunstâncias em que o negócio foi realizado e o atribuiu ao então presidente do Banco Schahin, Sandro Tordin, ao tesoureiro do PT, Delúbio Soares, ao prefeito cassado de Campinas (SP) Hélio de Oliveira Santos, o Dr. Hélio (PDT), e aos marqueteiros Armando Peraldo e Giovanni Favieri - de Campo Grande (MS), ligados ao ex-governador Zéca do PT.

"Estava em São Paulo quando recebi um telefona de um amigo, que eram três, Giovani, Armando e Sandro Tordin para que desse uma chegada até o Banco Schahin", contou Bumlai.

"Fui lá e me deparei na cabeceira com o candidato a prefeito de Campinas doutor Hélio, à direita dele seu Delúbio Soares, depois seu Carlos Eduardo Schahin, uma cadeira vaga em que me sentei, e o Sandro, o Armando e o Giovanni."

Vaccari

Bumlai confirmou a Moro ainda que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto também participou do negócio, numa segunda fase em que foi acertada a quitação do empréstimo. Segundo ele, não lhe foi dito que um contrato da Petrobras quitaria a dívida com o banco.

Ele também rebateu afirmações de delatores ligados ao Grupo Schahin ter dito que o negócio de empréstimo e sua quitação estaria "abençoados" pelo ex-presidente Lula.

Defesa

O PT informou que nunca realizou empréstimo como Banco Schahin e que todas as doações recebidas são legais e foram aprovadas pela Justiça Federal.