26°
Máx
19°
Min

Candidatos a prefeito de Ponta Grossa participam de sabatina na ACIPG

Candidatos responderam a perguntas feitas por empresários e participantes do evento ((Foto: Divulgação) - Candidatos a prefeito de Ponta Grossa participam de sabatina
Candidatos responderam a perguntas feitas por empresários e participantes do evento ((Foto: Divulgação)

Os cinco candidatos à Prefeitura de Ponta Grossa participaram nesta segunda-feira (19) de uma sabatina promovida pela Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG), evento ocorrido na sede da entidade. O encontro teve como objetivo apresentar a empresários e membros da sociedade civil organizada as propostas dos candidatos, além de proporcionar um debate com temas relacionados ao setor empresarial. Participaram da sabatina os candidatos Aliel Machado (Rede), Júlio Küller (PMB), Leandro Soares Machado (PPL), Marcelo Rangel (PPS) e Professor Gadini (PSOL).

O presidente da ACIPG, Douglas Fonseca, explicou ainda que a entidade irá fiscalizar o novo prefeito. “Não basta apenas votar, tem que acompanhar, e o candidato eleito será acompanhado de perto para ver se aquilo que foi prometido e dito aqui será depois executado quando ele estiver como mandatário da cidade”, garantiu.

O evento começou com uma apresentação de Fernando Leite, curador do projeto Vote Bem, da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), que explanou sobre o tema ‘O que inibe e o que estimula uma sociedade democrática’. “Se não tenho população que conhece minimamente como a política funciona, o que faz um vereador, o que faz um prefeito, como eles são eleitos, a gente não tem ‘accountability’”, acrescentou, explicando que o termo em inglês se refere à prestação de contas e de obediência aos desejos dos cidadãos.

Logo após, cada candidato teve 10 minutos para se apresentar e falar um pouco sobre seu plano de governo. Os participantes do evento também puderam elaborar perguntas sobre qualquer tema, que depois foram sorteadas entre os cinco candidatos. Cada um respondeu a três questionamentos e teve, no máximo três minutos para responder às perguntas.

Durante esta etapa, foram debatidas e apresentadas propostas sobre a formação do secretariado, aumento da transparência na administração municipal, estrutura do Parque Ambiental, política nacional de resíduos sólidos, infraestrutura do Distrito Industrial, revitalização da cultura da cidade, propostas para alavancar o crescimento econômico da cidade, número de vereadores na Câmara Municipal de Ponta Grossa, número de cargos comissionados, mobilidade urbana, aumento do IPTU, Ouvidoria Municipal, aumento da arrecadação municipal e educação.

O evento contou com o apoio da Sociedade Rural dos Campos Gerais, Associação dos Engenheiros Agrônomos dos Campos Gerais (AEACG), Sindicato dos Contabilistas de Ponta Grossa (Sicopon), Sescap Campos Gerais, Sindicato Rural, Observatório Social de Ponta Grossa e Sindilojas.

Confira abaixo algumas das principais falas dos candidatos durante o evento (por ordem de apresentação inicial no evento):

Leandro Soares Machado (PPL): “Temos visitado as comunidades e percebendo que a eleição será vencida pelo voto branco e nulo. Hoje vivemos um momento de descrença nos políticos. Sei a realidade da sociedade civil organizada, as dificuldades da comunidade. As pessoas não querem pão para comer, elas querem dignidade para viver”. “Teremos um governo transparente que trabalhe juntamente com a comunidade, temos um plano de governo que parte do pressuposto da união da comunidade”.

Aliel Machado (Rede): “Não temos nenhuma proposta mirabolante para pegar o sentimental do eleitor, temos propostas com responsabilidade, vamos trabalhar com a verdade, fazer funcionar bem o que já existe independente de projeto político, mas como projeto de governo, respeitando as conquistas que tivemos neste mandato, que tivemos conquistas importantes, e criticando os erros”. “Gestor público é como se fosse um pai, muitas vezes tem que dizer não, filho não entende, mas sabe que aquilo é para o seu bem”.

Professor Gadini (PSOL): “No nosso projeto, não tem nenhum candidato que vai enriquecer na política, que vai aumentar patrimônio político em dois ou quatro anos”. “A crise de legitimidade política tem que ser combatida nas diversas esferas, inclusive na municipal. Temos proposta simples, entendemos a política como serviço comunitário, o que exige dedicação à cidade, doação de tempo”. “O maior patrimônio de uma administração pública é o servidor público, independente do gestor, a administração tem que continuar”.

Júlio Küller (PMB): “Tenho experiência legislativa, já fui três vezes vereador sendo o mais votado no meu partido, também tenho experiência no Executivo como secretário de Assistência Social e tenho muito orgulho do trabalho que fiz. Mas tenho um diferencial, tenho 17 anos de carteira assinada antes de me tornar político”. “Dirigir uma cidade é como dirigir uma empresa, com muito mais desafios. Faremos um trato do dinheiro público como se estivéssemos em uma empresa, sem lucro, mas investindo tudo o que se arrecada no retorno à sociedade”.

Marcelo Rangel (PPS): “Desde o início do nosso mandato, tivemos desafios homéricos em todas as áreas, iniciamos nosso trabalho abrindo secretarias importantes para o desenvolvimento e para as responsabilidades que teriam nos anos seguintes, como a secretaria de Segurança Pública e do Meio Ambiente”. ‘Durante nosso mandato, pagamos mais de R$ 160 milhões em dívidas, grande parte delas dívidas podres”. “Me sinto preparado para todas as outras adversidades que poderão vir, porque já enfrentamos os momentos mais difíceis do nosso país, do nosso município”.