27°
Máx
13°
Min

Citado na Alba Branca, Duarte Nogueira anuncia que deixa secretaria em SP

O secretário estadual de Logística e Transportes, Duarte Nogueira (PSDB-SP), anunciou nesta sexta-feira, 1, que vai deixar o cargo no Governo de São Paulo. Segundo nota divulgada em sua conta oficial no Facebook, o secretário afirmou que reassumirá o mandato de deputado federal a partir da semana que vem. Duarte Nogueira foi citado na Operação Alba Branca, que investiga fraude na merenda escolar em São Paulo.

"Amigos, reassumirei meu mandato de deputado federal a partir da semana que vem para participar de um momento de extrema relevância, quando a Câmara dos Deputados irá votar o impeachment da presidente Dilma. Os paulistas, em especial os da minha cidade natal, Ribeirão Preto, sempre foram destaques nas manifestações pró-impeachment e, tendo sido eleito por eles, não posso deixar de representá-los, de votar por eles. Agradeço ao governador Geraldo Alckmin pela confiança e pela oportunidade que me ofereceu de estar à frente da Secretaria de Logística e Transportes neste últimos 15 meses, que compreendeu a importância do meu retorno à Câmara dos Deputados e que compartilha com todos nós o entendimento de que o país precisa de novos rumos", afirmou o secretário.

Em seu Facebook, Duarte Nogueira afirmou ainda que a Corregedoria Geral de São Paulo arquivou a investigação contra ele no caso da merenda. A Alba Branca que investiga um esquema de corrupção e superfaturamento na venda de produtos agrícolas para merenda de escolas municipais e estaduais de São Paulo, que teria atendido os interesses da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), apontada como carro-chefe da fraude.

"Como sempre disse, a verdade está sendo restabelecida. Desde o início, afirmei que meu nome foi citado de forma irresponsável e leviana, para confundir as investigações. Estou tranquilo, pois tenho 20 anos de vida pública limpa", escreveu o secretário em sua rede social.

Cássio Chebabi, ex-presidente da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) apontou aos investigadores da Operação Alba Branca os nomes do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez (PSDB), e do secretário Duarte Nogueira como supostos beneficiários de uma propina de 10% sobre contratos da Secretaria de Estado da Educação no governo Geraldo Alckmin (PSDB). Um contrato, disse Chebabi, no valor de R$ 13 milhões, teria sido assinado em 2015 para fornecimento de suco de laranja.