22°
Máx
14°
Min

Comissão de Ética quer ouvir testemunhas do processo contra Eduardo Cunha em Curitiba

(Foto: Joyce Carcalho / Massa News) - Comissão de Ética quer ouvir testemunhas do processo contra Eduardo Cunha em Curitiba
(Foto: Joyce Carcalho / Massa News)

A manhã desta terça-feira (5), foi de reunião em Curitiba sobre o processo por quebra de decoro parlamentar contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).  Os deputados que integram a Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, Sandro Alex (PSD-PR), que é vice-presidente do Conselho de Ética, o deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), presidente do Conselho e o deputado Marcos Rogério (DEM-RO), relator do processo, se reuniram com o juiz federal Sérgio Moro. O encontro aconteceu na sede da Justiça Federal e teve o objetivo, conforme Sandro Alex, de promover uma facilitação nos depoimentos das testemunhas do processo.  O deputado explicou que este primeiro contato foi para pedir a autorização de Moro para utilização das dependências da Justiça Federal em Curitiba para que a Comissão colha os depoimentos. 

“Entendemos como muito positivo este encontro, o juiz colocou a nossa disposição a estrutura da JF, e ainda nos repassou os depoimentos dos envolvidos na Operação Lava Jato e no processo de quebra de decoro do Cunha”, disse Sandro Alex. “Este foi apenas o primeiro momento e a partir de agora, vamos solicitar autorização ao Supremo Tribunal Federal para podermos realmente fazer as oitivas aqui. Isso é necessário por conta do foro privilegiado”, acrescentou.

A mudança de cenário, trazendo para Curitiba e tirando de Brasília o foco, seria estratégica, conforme Sandro Alex, pois deixaria as testemunhas mais à vontade. “As testemunhas não são intimadas, elas são convidadas e aqui, acredito que elas ficam mais tranquilas para colaborarem”.

O processo todo, conta com 19 testemunhas, sendo 11 apresentadas pelos denunciantes e 8 apresentadas como defesa de Eduardo Cunha. O foco da investigação é comprovar a existência de contas no exterior. “Se no decorrer da investigação nos depararmos com outros crimes eles serão investigados, mas neste momento, nosso foco é avaliar essa questão da existência das contas fora do Brasil”, diz Alex.

A intenção da Comissão, é ouvir por aqui quatro testemunhas, consideradas pela Comissão como fundamentais. Entre as testemunhas estão Fernando Baiano, Alberto Youssef, Julio Camargo e Leonardo Meireles. “Leonardo Meireles pode contribuir muito com a investigação".

"Ele apontou em depoimento já prestado, documentos que comprovariam depósitos em contas no exterior”, disse Marcos Rogério.

Os deputados enfatizaram, que havendo a autorização do STF, os depoimentos devem ser colhidos na sede da JF em Curitiba no dia 18 de abril, a partir das 9 horas. “Serão dois dias de oitivas, com tudo gravado e documentado, desta forma, se os deputados da Comissão não puderem vir, terão acesso aos depoimentos”.

Vinte e um deputados integram a Comissão de Ética. O relator do processo, deputado Marcos Rogério, disse que o prazo legal para a fase de instrução é de 40 dias e após a conclusão são mais 10 dias para apresentar o relatório, no entanto, a intenção é terminar antes deste período. “Os quarenta dias encerram no dia 19 de maio, mas, se não houverem interferências, pretendo encerrar antes”.

Atrasos

Os deputados afirmaram que este é o processo mais longo da história do Conselho de Ética, e que isso vem de diversos recursos e interferências da defesa do deputado. Os parlamentares também relataram outras dificuldades, como a liberação de passagens para as testemunhas. Nunca antes o presidente da Câmara tinha sido investigado, então, temos estas dificuldades inerentes ao caso”.