24°
Máx
17°
Min

Copersucar diz manter relacionamento com distribuidoras 'na observância' da lei

A Copersucar informou nesta terça-feira, 7, "que mantém relacionamento comercial com diversas distribuidoras no Brasil, dentre elas a BR Distribuidora, sempre na mais estrita observância da legislação brasileira". A posição, divulgada em nota encaminhada pela assessoria de comunicação, é uma resposta à afirmação do ex-diretor Internacional da Petrobras e da BR Distribuidora Nestor Cerveró, em delação premiada, de que o ex-ministro e ex-presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, fez lobby para que a companhia se tornasse a única vendedora de álcool para a estatal. No depoimento, Cerveró disse que a Copersucar controlaria o pagamento de propinas no negócio.

"As propinas passariam todas a ser controladas pela Copersucar", afirmou Cerveró no termo de delação 19, prestado em dezembro e tornado público na semana passada. "A compra de álcool é um dos principais itens de arrecadação de propina na BR Distribuidora." Cerveró disse que em 2013 o presidente da BR Distribuidora à época, José de Lima Andrade Neto, o chamou para uma reunião informal para comunicá-lo de que Rossetto, então presidente da Petrobras Biocombustíveis, propôs que a Copersucar tivesse um contrato de exclusividade. "No sentido de que a empresa fosse a única compradora de álcool para a BR, ou seja, a Copersucar seria uma intermediária, comprando o álcool (das usinas) para a BR, que depois faria o trabalho normal dela de distribuição", afirmou Cerveró. O delator disse ainda que os integrantes da diretoria fizeram objeções e afirmaram que a ideia era "muito ruim, porque o negócio não seria bom para a BR e não faria sentido".

Cerveró relatou que Lima defendeu a empreitada com "entusiasmo". "Quem surgiu com essa ideia foi Miguel Rossetto, e Lima levou-a adiante. Alguém da Copersucar levou essa ideia para Miguel Rossetto. Se a ideia fosse implementada, as propinas relativas à compra de álcool seriam pagas pela Copersucar, não mais pela BR", afirmou Cerveró aos procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato.

"Acredito que haveria um negócio que o Rossetto participaria porque quem trouxe o negócio para o Lima foi ele e pelo entusiasmo que o Lima defendeu havia um interesse dos dois em fechar esse acordo com a Copersucar", respondeu, ao ser perguntado se acredita que o episódio envolveria propina. "Para a BR não trazia benefício nenhum, isso só beneficiava a Copersucar, que ganhava um poder de compra e de negociações, porque a transformava na maior compradora de álcool do Brasil. Esse tipo de coisa não acontece de graça."