24°
Máx
17°
Min

Cristovam Buarque e Reguffe deixam o PDT para fazer oposição ao governo

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) - Cristovam Buarque e Reguffe deixam o PDT para fazer oposição ao governo
(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O PDT perdeu, na tarde desta quarta-feira, 17, dois senadores. Os parlamentares Cristovam Buarque (DF) e Reguffe (DF) anunciaram seu desligamento do partido por discordarem do posicionamento de apoio ao governo. Ambos senadores já vinham desvinculando seus votos das posições do PDT, que faz parte da base de apoio ao governo. Cristovam vai se filiar ao PPS, enquanto Reguffe pretender ficar sem partido temporariamente.

"Creio que o PDT deixou de oferecer a possibilidade de lutar pelas transformações pelo seu embricamento com um governo que, mais do que crise, está provocando uma decadência. Eu fiz a opção de ir para o PPS, para continuar a minha marcha, carregando as minhas bandeiras. Mudo de sigla para não mudar de partido, o partido da educação", anunciou Cristovam em discurso em plenário do Senado.

O anúncio foi seguido de mais de três horas de cumprimentos e elogios de quase 40 senadores dos mais diversos partidos que parabenizaram a carreira política do senador e sua decisão de mudar de partido para continuar defendendo ideias próprias.

O senador José Serra (PSDB-SP) relembrou que, em 1998, fez palanque pela eleição de Cristovam como governador do Distrito Federal, à contragosto do PSDB. "Estava no Ministério da Saúde e deixei meu gabinete, mais de uma vez, para ir a um comício apoiar sua candidatura, convencido de que estava fazendo o certo", disse Serra.

"O senhor traz às oposições um reforço, e talvez ainda não tenha a dimensão exata do que ele significa neste momento. Com a liberdade que passará a ter a partir de hoje no PPS, as oposições ganham, e ganham muito", avaliou o presidente do PSDB, Aécio Neves (PSDB-MG).

O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) aproveitou a oportunidade para criticar a predileção do PDT por Ciro Gomes em detrimento de Cristovam nas eleições presidenciais de 2018. "Eu acho que o PDT perdeu um dos melhores quadros que o Brasil tem, fazendo, lamentavelmente, uma péssima troca: trocar o senhor pelo ex-governador do Ceará não foi uma boa opção. E eu tenho a convicção de que, em 2018, o povo brasileiro vai dar essa resposta." Eunício é rival de Ciro Gomes no Ceará.

Senadores da base aliada também deixaram os seus cumprimentos, assim como os colegas da bancada do PDT, que lamentaram sua saída.

Durante os discursos, Reguffe subiu à tribuna para também anunciar que deixaria o partido. O senador entregou sua carta de desfiliação na sede do PDT nesta tarde, quando falou pessoalmente com o presidente do partido, Carlos Lupi.

"Por discordar do reiterado apoio do PDT ao governo federal, eu me desfilio. Respeito a decisão do partido de apoiar o governo. É uma decisão democrática, que deve ser respeitada, mas não é o que penso hoje como o melhor para o País", afirmou Reguffe.

Em nota divulgada à imprensa, ele avisou que pretende ficar sem partido por pelo menos um ano para exercer sua função "independente". "Se o projeto é bom para a população, vou votar "sim"; se o projeto é ruim para a população, vou votar "não", independentemente de quem apresenta esse projeto", garantiu.

Convites

Após o anúncio de Reguffe, os senadores fizeram convites para que ele se unisse aos seus partidos. Foram feitas ofertas do DEM, Rede, PMB, PPS e PMDB. Presidente do PSDB, Aécio Neves também deixou seu convite. "Apenas quero dizer que, em relação ao PSDB, é oficial o convite a vossa excelência."