26°
Máx
19°
Min

Cunha: na prática, ministro da Justiça saiu, mas continua no governo

Alvo da Lava Jato, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), minimizou o efeito da saída de José Eduardo Cardozo do Ministério da Justiça. Para Cunha, como Cardozo continua no governo - assumirá a Advocacia-Geral da União (AGU) -, não haverá mudanças no rumo da operação que investiga o esquema de corrupção na Petrobras.

"Na prática, o ministro da Justiça saiu, mas continua no governo. É uma troca de posição", afirmou Eduardo Cunha na tarde desta segunda-feira, 29.

O presidente da Câmara disse não conhecer o ex-procurador-geral da Justiça da Bahia Wellington César Lima e Silva, que assumirá o lugar de Cardozo no ministério. No entanto, ele afirmou que não acredita que a troca implicará mudanças na Lava Jato. "Não acho que vai ser o ministro A, B ou C que vai mudar o curso de um caminho que já está no estágio que está", disse Cunha.

Afastamento

Na entrevista desta tarde, o peemedebista justificou a petição apresentada por seus advogados solicitando ao Supremo Tribunal Federal (STF) que adie o julgamento da denúncia contra ele no âmbito da Operação Lava Jato, marcado para esta quarta-feira, 2.

A defesa de Cunha pede ao ministro relator do processo, Teori Zavascki, a reabertura do prazo para oferecer resposta sobre a denúncia apresentada em agosto do ano passado ao Supremo pela Procuradoria-Geral da República (PGR). O procurador-geral, Rodrigo Janot, acusa Cunha de receber US$ 5 milhões para viabilizar a construção de dois navios-sondas da Petrobras. Caso o Supremo acate a denúncia, o presidente da Câmara passará de investigado a réu.

Eduardo Cunha solicita mais tempo, já que o prazo entre a publicação da data da sessão e a realização do julgamento foi de apenas cinco dias. Ele também cobra o julgamento de agravos regimentais, que podem influenciar a formulação da defesa. "O correto seria julgar os agravos numa sessão e, se não forem providos, continuar", afirmou.

O peemedebista negou estar conduzindo medidas para retardar o julgamento. "Ninguém pode dizer que alguém está protelando nada até porque não existe um processo tão célere quanto o que trata das coisas que são comigo", afirmou.

Cunha disse que, caso torne-se réu, nada mudará na Câmara. "Não vejo nenhuma diferença, nenhuma dificuldade com isso", afirmou. "Já fui réu como líder do PMDB, fui réu aceito pelo plenário do Supremo, depois fui absolvido por unanimidade. Até espero que não possa ocorrer, mas se tornar réu não significa que ninguém é condenado. Significa apenas a continuidade da ação. Já passei por isso como líder e depois fui absolvido por unanimidade. Aqui na Casa tem vários parlamentares réus", afirmou.

Cunha disse que, ao contrário da presidente Dilma Rousseff, não precisa de popularidade porque foi eleito apenas por um seguimento de seu Estado e não pelo País inteiro, como a petista. Ele disse não precisar ter popularidade nem mesmo entre seus pares.

"Não preciso ter popularidade. Fui votado e eleito por eles. Tenho um mandato de dois anos, estou cumprindo e pretendo cumpri-lo até o fim. Não tem recall de presidente da Câmara, como não tem recall de presidente da República. Aliás, é até uma proposta boa, que poderia ser discutida no futuro, recall para todos", ironizou o peemedebista.