22°
Máx
16°
Min

Datafolha: Russomanno cai de 31% para 26%; Marta e Doria crescem

O candidato a prefeito de São Paulo e deputado Celso Russomanno (PRB) caiu de 31% para 26% das intenções de voto, de acordo com a primeira pesquisa do Instituto Datafolha desde o começo da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, divulgada nesta sexta-feira, 9. A candidata e senadora Marta Suplicy (PMDB) passou de 16% para 21% e o candidato João Doria (PSDB) avançou de 5% para 16%.

Desta forma, a vantagem de Russomanno desabou em relação a Marta e Doria, embolando a briga pela Prefeitura da capital paulista. O candidato do PSDB a prefeito de São Paulo, que subiu 11 pontos porcentuais, tem o maior tempo no horário eleitoral gratuito no rádio e TV.

A margem de erro é de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP) com o número SP-00567/2016.

Com essa margem de erro, Marta está em empate técnico com o candidato do PRB a prefeito de São Paulo. Nos levantamentos de segundo turno, Russomanno consegue vitória em todos os panoramas, ainda que com menor folga. A sondagem, contratada pelo jornal Folha de S. Paulo e TV Globo, entrevistou 1.092 eleitores, nesta quinta-feira, 8.

Os outros concorrentes oscilaram desde o último levantamento, feito nos dias 23 e 24. O prefeito Fernando Haddad (PT), candidato à reeleição, foi de 8% para 9%, sustentando o empate técnico com a adversária Luíza Erundina (PSOL), que estava com 10% e agora tem 7%.

O deputado Major Olímpio (SD) permaneceu com 2%. Levy Fidelix (PRTB) e João Bico (PSDC) tiveram 1% cada. Ricardo Young (Rede Sustentabilidade), Henrique Áreas (PCO) e Altino (PSTU) foram mencionados, mas não obtiveram pontuação.

Votos em branco ou nulos totalizaram 13%, e 4% não manifestaram intenção de voto. Em agosto, 17% afirmaram que votariam em branco ou anulariam e 7% não opinaram.

Segundo turno

No segundo turno, de acordo com o Datafolha, o candidato do PRB a prefeito triunfaria sobre a candidata do PMDB à Prefeitura de São Paulo, de 45% a 38%. Em agosto, a diferença era de 51% a 32% a favor de Russomanno. Se a eleição fosse com Doria, a vitória do candidato do PRB seria de 52% a 38%. Nesse cenário, a diferença também caiu. Em agosto, era de 63% a 16%. Contra Haddad, Russomanno venceria de 56% a 25%. De Erundina, de 56% a 27%.

Rejeição

O prefeito de São Paulo ainda é o aspirante com maior taxa de rejeição: 46% afirmaram que não votariam nele, ante os 49% de agosto. Marta tem 29% (ante 32% da pesquisa anterior). Erundina tem 26% (ante 25%). A rejeição de Russomanno oscilou para cima, de 18% para 21%. No caso de Doria, 20% não votariam nele de jeito nenhum (eram 22% em agosto).