28°
Máx
17°
Min

Depois de avião, Temer corta clipping de notícias de Dilma

Depois dos aviões da FAB, cartão de crédito, secretárias e seguranças, o governo do presidente em exercício, Michel Temer, cortou o clipping diário de notícias da presidente afastada Dilma Rousseff.

O calhamaço azul apelidado de "mídia" com as principais notícias do dia tem sido "contrabandeado" para o Palácio da Alvorada por aliados remanescentes no Planalto.

Interlocutores afirmam que Dilma soube do corte da "mídia" por uma nota na coluna "Radar", da revista Veja e ficou irritada. A petista teria pedido a assessores que ligassem para o presidente da EBC, Ricardo Melo, que se comprometeu a tentar restabelecer o envio do clipping.

"São tentativas de constrangimento, de criar obstáculos para a atuação da presidente. É muito pequeno, muito mesquinho, que situações desse tipo aconteçam", disse o ex-ministro da Justiça e ex-adovogado-geral da União José Eduardo Cardozo.

Na terça-feira, 7, Dilma disse que o governo Temer tenta transformar o Alvorada em uma "prisão dourada".

Desde que deixou o Planalto a petista acusou diversas tentativas de, segundo ela, impedir sua movimentação política.

Demissão de secretárias, redução do número de seguranças, restrição do uso de aviões da FAB apenas para voos até Porto Alegre, corte no cartão de crédito usado para abastecer o Alvorada (já liberado) e diárias de viagens de assessores têm tirado Dilma do sério.

Na semana passada, enquanto era entrevistada pelo jornal The New York Times, a energia do Palácio caiu seis vezes. No sábado, 4, quando voltou de uma viagem, faltou luz entre 21h e 23h. Segundo assessores, no entorno do Alvorada o fornecimento de energia estava normal.

Em viagem a Belo Horizonte, assessores pagaram diárias de hotel do próprio bolso. Com a limitação do uso de aviões, Dilma tentou ir em voo comercial para Campinas, onde se encontra com intelectuais nesta quinta-feira, 9, mas como haviam apenas quatro passagens disponíveis o PT fretou um avião de sete lugares.

Nesta quarta-feira, 8, o deputado Jorge Solla (PT-BA) conseguiu aprovar requerimento na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara cobrando explicações do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, sobre os cortes. Mas as "mesquinharias" são debitadas por Dilma na conta do ministro da Secretaria de Governo, Gedel Vieira Lima.

A presidente afastada ficou especialmente irritada com a divulgação do valor de R$ 62 mil gasto com despesas do Alvorada no último mês. "Parece que os R$ 62 mil são só para mim", reclamou.

Na sexta-feira, 10, Dilma poderá finalmente usar um avião da FAB, que vai buscá-la em São Paulo e levá-la a Porto Alegre.