24°
Máx
17°
Min

Deputados do PT reagem a declarações de Temer sobre Bolsa Família

Deputados do PT que participam da sessão de debate do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara reagiram neste sábado às declarações do vice Michel Temer - nas quais ele negou a intenção de acabar com os programas sociais, o que chamou de "mentira rasteira".

Em discurso no plenário, o deputado Paulo Pimenta (RS) afirmou que Temer falou como presidente, antes mesmo da votação sobre a admissibilidade do processo. "Temer, o breve, anunciou medidas como se presidente da República fosse", afirmou Pimenta, em tom irônico. "O vice-presidente superou seu intuito conspirador", discursou o petista.

O deputado gaúcho se disse satisfeito com o clima de "vira, virou" que fez o governo garantir novos votos contra o impeachment, mas ressalvou que "a oposição nunca teve os votos necessários para aprovar sua proposta de golpe".

Em entrevista, Wadih Damous (RJ) reiterou a acusação de que em um possível governo Temer haveria pressão para dificultar as investigações da Operação Lava Jato. "Todos sabem que Temer disse que conseguiria brecar a Operação Lava Jato. Não sei como, porque o Ministério Público é autônomo e a Polícia Federal não pode atuar contra a investigação", afirmou. Damous disse também que "a ação de Temer sempre foi para brecar os programas sociais".

O deputado carioca reforçou a tese de que a oposição não tem garantidos os 342 votos necessários para aprovar o impeachment da presidente. Segundo Damous, os deputados indecisos, desde sexta-feira, 15, tendem a votar contra o impeachment ou optar pela abstenção - o que favorece o governo, pois tira possíveis votos a favor do afastamento da presidente.

O governo não precisa garantir votação mínima contra o impeachment, enquanto a oposição precisa de pelo menos dois terços dos 513 deputados.