24°
Máx
17°
Min

Dilma mantém rotina de exercícios e anda de bicicleta em Porto Alegre

A presidente da República afastada, Dilma Rousseff, andou de bicicleta na manhã desta sexta-feira, 27, na zona sul de Porto Alegre. Quando está na capital gaúcha para descansar e visitar a família, a petista dificilmente dispensa o exercício matinal. Dilma estava acompanhada de seguranças. Agasalhada para se proteger do frio, encerrou o passeio por volta das 8h perto de sua residência.

A presidente afastada chegou a Porto Alegre na tarde desta quinta-feira, 26. De acordo com assessores, Dilma vai passar o feriado prolongado ao lado da filha, Paula Araújo, e dos netos, Gabriel e Guilherme. Ela não tem compromissos oficiais agendados para os próximos dias. O retorno para Brasília está previsto para Domingo (29).

Esta é a segunda vez que Dilma viaja a Porto Alegre após seu afastamento. Ela esteve na capital gaúcha entre 13 e 16 de maio, logo depois de o Senado votar pela admissibilidade do processo de impeachment. Na ocasião, também ficou com a família, sem compromissos públicos.

Sua residência oficial continua sendo o Palácio do Alvorada, onde montou um gabinete de trabalho para a defesa de seu mandato. Por enquanto, a principal frente de ação é a internet. Em sua página no Facebook e no Twitter, a presidente afastada e sua equipe rebatem os anúncios e as medidas tomadas pela gestão de Michel Temer.

Ontem, Dilma também usou as redes sociais para manifestar solidariedade à jovem de 16 anos estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro. No Facebook, a petista classificou o ato como barbárie. "Mais uma vez reafirmo meu repúdio à violência contra as mulheres. Precisamos combater, denunciar e punir este crime", disse.

Por meio de nota, também nesta quinta-feira, Dilma negou irregularidades na sua campanha à reeleição e esclareceu que todos os pagamentos feitos ao publicitário João Santana totalizaram R$ 70 milhões.

Ela afirmou ainda que os referidos pagamentos foram contabilizados na prestação de contas aprovadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A nota é uma resposta às conversas gravadas do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado com o ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP).

Em um dos trechos, o ex-presidente Sarney afirma que a delação de Marcelo Odebrecht vai atingir a petista. "Vão contar tudo. Vão livrar a cara do Lula. E vão pegar a Dilma. Porque quem tratou diretamente sobre o pagamento do (marqueteiro da campanha) João Santana foi ela (Dilma). Então eles vão fazer. Porque isso tudo foi muito ruim pra eles", disse Sarney.

A nota refutou as afirmações. "É curioso que pessoas que estiveram distantes da coordenação da campanha presidencial, de sua tesouraria, possam dar informações de como foram pagos e contabilizados os recursos arrecadados legalmente para a sua realização. Comentários feitos em conversas entre terceiros e que não apontam a origem das informações não têm nenhuma credibilidade", informa o texto divulgado pela assessoria de Dilma.