21°
Máx
17°
Min

Em liberdade, Tulio Bandeira se diz injustiçado e promete processar delegado

Tulio Bandeira, candidato à Prefeitura de Foz do Iguaçu, ganhou a liberdade na última sexta-feira (23), depois de ficar dez dias preso no Mato Grosso. Acusado de extorsão, organização criminosa, incêndio e esbulho possessório, o político se diz “injustiçado” com o episódio e acusa o delegado responsável pelas investigações, Waner dos Santos, de autopromoção.

Em entrevista ao Massanews, Tulio afirma que vai processar Santos. “Ele viu uma oportunidade de dar um 'up' na carreira. Foi reprovado no exame psicológico para ser delegado e está pendurado por um mandado de segurança no STJ. Vou representar contra ele amanhã, junto à Justiça Criminal do Paraná, porque ele precisa responder pelo que fez. A reparação de danos morais e materiais será feita futuramente”.

Conforme as investigações da Polícia Civil, Tulio seria o chefe de uma quadrilha que invade e expulsa assentados do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) em propriedades de Brasnorte e região. Ele teria contratado pistoleiros para agir contra os ocupantes com bastante violência. O candidato nega. "Quem tem terra invadida sou eu. Eu já notifiquei essas pessoas extrajudicialmente, dando oportunidade para que eles saíssem”.

O delegado de Brasnorte disse que não vai comentar as acusações.Informou, apenas, que a terceira fase da operação foi deflagrada na última sexta-feira (23), ocasião em que três pessoas foram presas e armas apreendidas. O inquérito já foi concluído e será analisado pelo Ministério Público (MP), que decide pelo oferecimento ou não da denúncia.

A candidatura de Tulio Bandeira à cadeira do Executivo continua normalmente, segundo ele. “Fui bem recepcionado no aeroporto, em todos os lugares por onde fui. Estou sendo prejudicado, mas isso só o tempo vai nos dizer se vou conseguir recuperar ou não. Estou apto para enfrentar as eleições”, finaliza.

Colaboração: Cris Neres/Rede Massa.