21°
Máx
17°
Min

Erro em decolagem de avião da PF quase provoca colisão com avião da FAB

Um incidente no aeroporto internacional Juscelino Kubitschek mobilizou o controle do tráfego em Brasília, às 7h30 da manhã de terça-feira, 23, quando o bimotor da Polícia Federal, que transportaria o publicitário João Santana e sua mulher Mônica Moura de São Paulo para Curitiba, cometeu um erro na decolagem da capital federal para cumprir a missão e quase se chocou com um avião da Força Aérea que decolava, no mesmo instante, de outra pista. Desde o final do ano passado, duas pistas de decolagem estão funcionando no aeroporto de Brasília, com 1,8 mil metros de distância entre uma e outra, permitindo que dois aviões pousem e decolem ao mesmo tempo.

O avião da PF, que estava na pista da direita, ao decolar para São Paulo para pegar Santana e sua mulher, ao invés de manter a reta na decolagem e fazer curva à direita após atingir cerca de 200 metros de altura, conforme indica o procedimento, curvou à esquerda. Já o avião da FAB 2582, que voava com destino a Vitória (ES), sem passageiros, era para manter a reta de decolagem até cerca de 35 quilômetros do aeroporto e também seguir para a esquerda. Ao ver que o avião da PF estava saindo para o lado errado e vindo em sua direção, o piloto da FAB entrou em contato com o controle de tráfego aéreo em Brasília.

"Interrompa subida agora. Interrompa subida agora", disse e repetiu o operador do tráfego aéreo, dando novas instruções ao piloto da Aeronáutica e mudando sua direção. "A saída nossa ficou conflitante com este tráfego", queixou-se o piloto da FAB ao Cindacta, referindo-se ao procedimento errado do avião da PF e informando que já tinha visto a outra aeronave. "O senhor está correto", concordou o controlador de tráfego aéreo.

Segundo a Aeronáutica, o controle de tráfego aéreo prontamente tomou as ações necessárias para corrigir o procedimento e permitir que os voos seguissem normalmente para seus destinos, sem problemas. Ainda de acordo com a Aeronáutica, "a investigação inicial do incidente aponta a possibilidade de infração de tráfego aéreo pela aeronave PR-BSI (da PF) que decolava da pista da direita", acrescentando que "ela deveria manter a reta de decolagem e fazer curva à direita após atingir cerca de 200 metros de altura, mas curvou à esquerda".

A FAB, em nota, informou ainda que "a distância entre as aeronaves e as demais circunstâncias presentes estão sendo apuradas em um processo de investigação". E acrescentou: "caso se confirmem indícios de desobediência às normas aeronáuticas, o processo será encaminhado à Junta de Julgamento da Aeronáutica, que poderá aplicar sanções administrativas".

O avião da Polícia Federal voou para Guarulhos e de lá, após pegar Santana e sua mulher, seguiu com os dois para Curitiba. Já o avião da Força Aérea voava com destino a Vitória (ES), sem passageiros. Os dois prosseguiram suas rotas, depois do incidente, normalmente.

A Polícia Federal informou que abriu um procedimento interno para verificar o que houve na decolagem da sua aeronave. Ao mesmo tempo, informou que a Polícia Federal vai apoiar a Aeronáutica na investigação que está sendo realizada.