28°
Máx
17°
Min

'Estado' e USP promovem debate sobre corrupção

A corrupção está presente em todas as sociedades do mundo, mas a peculiaridade no Brasil é ter se tornado um fenômeno "de natureza sistêmica", enraizado na experiência política e social nacionais, segundo o pesquisador José Álvaro Moisés, diretor científico do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas (NUPPs) da USP. O problema, diz, não é só econômico ou institucional, mas cultural - e precisa ser encarado também nesse plano para ser resolvido.

"Só recentemente estamos caminhando na direção da criação de um sistema de integridade no País que reconhece a existência da corrupção e prevê mecanismos de verificação, controle e punição do fenômeno", diz o pesquisador, que será um dos palestrantes do segundo evento da série USP Talks, ao meio-dia desta quarta-feira, 25, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2.073). O projeto é fruto da parceria entre a USP e o jornal O Estado de S. Paulo, com apoio da Livraria Cultura, que propõe trazer especialistas da comunidade acadêmica para conversas sobre temas relevantes do noticiário.

Gustavo Justino de Oliveira, professor da Faculdade de Direito, especialista em Direito Administrativo e responsável pela recém-criada disciplina de pós-graduação Corrupção na Administração Pública, também participa do evento. "A corrupção perpassa os mais variados níveis e espécies de estruturas, tanto públicas quanto privadas", diz ele, que vai falar sobre as causas do problema e as estratégias mais eficientes para combatê-lo. Segundo ele, a corrupção é endêmica e contagiosa. "Quem entra em contato com esse ambiente tende a ser contaminados", diz. "No Brasil nenhum partido detém o monopólio da corrupção, mas o partido que está no poder tem o dever de combatê-la", define Oliveira. A Operação Lava Jato, segundo Moisés, é um sinal que é possível enfrentar o problema e "mudar essa cultura política".

O USP Talks é realizado na última quarta-feira de cada mês. Cada palestrante falará por 15 minutos, e na sequência haverá 30 minutos para debate com a plateia. O evento é gratuito e será transmitido ao vivo pelo canal do USP Talks no YouTube.