24°
Máx
17°
Min

Explicações de Dilma para nomeação de Lula são 'ridículas', diz NY Times

O The New York Times classificou em um editorial neste sábado de "rídiculas" as explicações de Dilma Rousseff sobre a escolha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ser ministro-chefe da Casa Civil. "Surpreendentemente, ela parece ter sentido que ainda tinha capital político para gastar", afirma o maior jornal dos Estados Unidos ao comentar a nomeação de Lula.

"Dilma Rousseff criou uma nova crise, de confiança em seu próprio julgamento", afirma o Times. O texto ressalta que Lula está sendo investigado por enriquecimento ilícito. Além disso, pessoas muito próximas a ele, como José Dirceu, estão presas, ressalta o jornal.

Se a decisão de nomear Lula "empurra os esforços de impeachment" para mais perto, "Dilma terá só a ela mesma para culpar", afirma o Times. A estratégia de Dilma aumentou a insatisfação popular e levou milhares de pessoas às ruas das cidades brasileiras, pedindo a renúncia da presidente, afirma o Times. Ontem à noite, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, suspendeu a nomeação de Lula.

Com o título de "A crise política no Brasil se aprofunda", o editorial do Times comenta os vários desdobramentos na política brasileira dos últimos dias, com foco na escolha de Lula para ser ministro de Dilma. O texto destaca que o objetivo foi tentar blindar Lula das investigações da Operação Lava Jato, que já atingiram 50 pessoas, incluindo políticos do PT e de outros partidos, ressalta o jornal.

A explicação de Dilma para a nomeação de Lula, ressalta o Times, foi descrita por ela como sendo uma oportunidade de trazer de volta ao Planalto um negociador talentoso para ajudar o Brasil a lidar com uma variedade de crises. Essa explicação, porém, é ridícula, afirma o editorial. O texto cita que Lula é acusado de ter recebido dinheiro de construtoras e foi levado recentemente para depor pela Polícia Federal.

Lula e Dilma, diz o Times, querem atrasar, "por tanto tempo quanto possível", um eventual julgamento do ex-presidente ao tentar abrigá-lo no Planalto, com foro privilegiado.