22°
Máx
14°
Min

FAB: transporte de Advogado-Geral da União seguiu procedimentos legais

(Foto: José Cruz/Agência Brasil)) - FAB: transporte de Advogado-Geral da União seguiu procedimentos legais
(Foto: José Cruz/Agência Brasil))

A Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou nota dizendo que o voo que transportou o advogado-geral da União, Fabio Osório, para a cidade de Curitiba, em 1º de junho, "seguiu todos os procedimentos formais e legais". Osório, conforme publicou ontem o Broadcast, tem situação "crítica" no governo e corre o risco de perder o cargo.

Entre os embaraços envolvendo seu nome, estaria o fato de ele, cujo cargo perdeu o status de ministro, ter exigido que um avião da FAB o transportasse a Curitiba para participar de uma homenagem ao juiz responsável pela Lava Jato, Sérgio Moro, e de um encontro da Justiça. O Advogado da União não tem mais prerrogativa de uso de aeronaves da Aeronáutica e Osório bateu pé e viajou com dois assessores e um procurador.

Na nota, assinada pelo Brigadeiro do Ar Ary Soares Mesquita, chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, a FAB diz que o atendimento ao pedido de Osório "seguiu as orientações contidas nos decretos presidenciais nº 4.244, de 22 de maio de 2002; nº 8.432, de 9 de abril de 2015, que estabelecem as regras e prioridades para o transporte de autoridades do 1º escalão do governo federal".

A assessoria de Medina afirma que a demissão do ministro é um boato. A informação oficial publicada ontem pelo Broadcast é de que o Osório avisou à FAB com um dia de antecedência sobre o deslocamento e estava, durante o voo, na companhia de um procurador da União e de dois representantes da assessoria de imprensa da AGU que, segundo o órgão, podem confirmar a versão de Medina. Na nota da FAB, contudo, a informação é de que a solicitação foi feita na manhã do dia 1º de junho.