21°
Máx
17°
Min

Fatos contra Dilma tornam difícil sua continuidade no governo, diz Paulo Câmara

Até então evitando se posicionar claramente sobre o impeachment, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), subiu o tom e afirmou nesta terça-feira, 22, que os fatos contra a presidente Dilma Rousseff são "muito graves" e, se comprovados, tornam "muito difícil" a continuidade dela no governo.

Segundo ele, seu partido deverá sair "unido" nesse processo "em favor do Brasil". Paulo Câmara lembrou que, em dezembro, criticou a forma como o atual processo de impeachment de Dilma foi aberto. "Porque foi claramente um processo onde a chantagem foi colocada como primeira questão, independente da análise dos fatos", disse, em referência ao fato de o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ter deflagrado o impeachment em retaliação ao Palácio do Planalto.

"Hoje, não. Hoje tem muito mais fatos em relação ao que foi colocado. Não se trata só de pedaladas (fiscais - motivação jurídica do atual pedido) e sim de outros fatos. Fatos graves que precisam ser apurados, que precisam ser responsabilizados", disse o governador, sem comentar fatos específicos. Para Câmara, os fatos "são muito graves" e, se devidamente comprovados, "é uma situação muito difícil de se continuar do jeito que está".

O governador defendeu celeridade na conclusão do julgamento do impeachment. Ele disse que tomará junto com seu partido a "decisão em favor do Brasil". "O PSB sairá unido", disse, sinalizando que governadores e senadores, até então apresentando resistência sobre o assunto, poderão apoiar o impeachment. Na Câmara, o líder do PSB, Fernando Filho (PE), já anunciou que a bancada deverá votar unida a favor do impeachment.