28°
Máx
17°
Min

Fruet judicializa desconto de greves e é ‘reprovado’ por servidores em matéria de negociação com a Educação

(Foto: Sismuc/Divulgação) - Servidores ‘reprovam’ Fruet em negociação com a Educação
(Foto: Sismuc/Divulgação)

Os professores da educação infantil de Curitiba, em luta pelos seus direitos, promoveram duas greves da categoria, uma delas no ano de 2013 e a outra em 2014. De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sismuc), foram através destas mobilizações que os servidores conseguiram conquistar a aposentadoria especial após 25 anos de atuação em sala de aula, a consulta pública nos Cmei e o plano de carreira. No entanto, de concretizado mesmo, apenas o plano de carreira, já que as outras duas demandas, seguem em compasso de espera.

Além disso, o Sismuc está questionando a Prefeitura sobre as pendências e também o fato de que a Prefeitura está descontando das servidoras os quatro dias de mobilização. “Além do prejuízo financeiro à categoria, o desconto expressa o desrespeito de Fruet frente ao direito à greve e à organização dos trabalhadores”, relata matéria publicada no site do Sindicato. “Como justificativa pelo abatimento, a gestão explica que o movimento foi judicializado, razão pela qual tais dias de ausência ao trabalho foram lançados como falta”, acrescenta a matéria.

O Sismuc explica, no entanto, que “foi a própria Prefeitura quem levou a mobilização à justiça e forçou a autorização legal ao desconto, ferindo o direito histórico à mobilização coletiva”. “No início de seu governo, Fruet negociou mais de 15 processos judiciais de greve ocorridas na gestão anterior – a maioria deles judicializados”, explica a coordenadora do Sismuc Irene Rodrigues. “Isso não foi motivo para ele não se posicionar em favor dos servidores e vetar o abatimento. Agora, numa greve ocorrida em sua própria gestão, sua recusa ao diálogo é uma incoerência. Esperamos de Fruet a mesma atitude diplomática para com os professores da rede estadual, que ele acolheu na prefeitura 29 de abril para protegê-los”, diz Irene.

Colaboração Sismuc