22°
Máx
14°
Min

Governo sinaliza que quer continuidade de Conselhão após o impeachment

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, reuniu-se nesta quinta-feira, 28, com o comitê gestor do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, chamado Conselhão, e sinalizou que o governo do presidente em exercício, Michel Temer, quer dar continuidade ao órgão de aconselhamento após o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff ser concluído no Senado.

Após o encontro, a secretária do Conselhão, Patrícia Souto Audi, informou que o grupo deve voltar a se reunir em setembro. "Fizemos contato com os conselheiros e muitos não se sentiram confortáveis em contribuir neste momento, e nos pediram que aguardássemos o processo de impeachment", disse.

O diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lucio, que também faz parte do comitê gestor, informou que caberá ao presidente Temer, caso ele seja efetivado no cargo, confirmar e renovar os convites para os membros do Conselho. "Nós saudamos como importante a iniciativa de preservar o Conselho como instituição que vai ganhando perenidades", disse. "Poderão ser os mesmos ou outros (conselheiros). Não importa, o que importa é que há decisão de manter iniciativa", completou, dizendo que só se manifestaria sobre sua permanência após um convite oficial de Temer. "Devemos ter a delicadeza de deixar ao presidente fazer o convite que ele julgue adequado", disse.

O Conselhão foi criado em 2003 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como um órgão de assessoramento do presidente da República para a elaboração de políticas públicas.

O ex-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) Luiz Moan, também participou do encontro e afirmou que aceitará continuar no conselho caso seja convidado por Temer.