22°
Máx
17°
Min

Grampo da PF indica que deputado favoreceu empresa que doou ao PSDB

O deputado Giuseppe Vecci (PSDB/GO) caiu no grampo da Polícia Federal por agir em favor de uma empresa contratada pela companhia de Saneamento de Goiás (Saneago) - alvo da Operação Decantação por suposto esquema de financiamento de partidos com recursos do PAC, do BNDES e da Caixa e pagamento de dívidas de campanha da reeleição do governo Marconi Perillo (PSDB), em 2014.

Segundo a PF, a empresa supostamente favorecida pela ação de Vecci, a JC Gontijo Engenharia, doou R$ 1 milhão para o PSDB depois de receber valores relativos ao contrato com a Saneago. A empresa havia doado R$ 1 milhão para o parlamentar nos dias 30 de outubro e 4 de novembro de 2014, maior quantia repassada ao então candidato à Câmara.

Decantação foi deflagrada nesta quarta-feira, 24. A PF prendeu o presidente do PSDB em Goiás, Afreni Gonçalves, e o presidente da Saneago, José Taveira Rocha, ex-secretário da Fazenda de Perillo.

A PF também grampeou diálogo entre o empresário José Cesário Lopes, da Gráfica Moura, e o presidente da Saneago. Os dois conversam sobre uma dívida de campanha de cerca de R$ 400 mil do governador, em 2014.

A malha de grampos da PF pegou Afreni Gonçalves no telefone e em mensagens por e-mail. Áudios evidenciam acertos entre o tucano e o diretor de Gestão Corporativa da Saneago, Robson Salazar, para favorecer o pagamento da JC Gontijo, detentora de contrato de empreitada com a estatal de saneamento da gestão Perillo.

A interceptação da PF pegou um e-mail, em 28 de agosto de 2015, de Edson Filizola para Afreni tratando das obras de ampliação da ETE de Goiânia e da obra de Águas Lindas.

"Em telefonemas realizados na sequência, Afreni Gonçalves e o deputado federal Giuseppe Vecci intercedem junto ao diretor de Gestão Corporativa, Robson Salazar, no sentido de que fosse liberado uma contrapartida da Saneago a empresa JC Gontijo", diz relatório da Operação Decantação.

Para os investigadores, "existem fundados indícios de que o investigado (presidente do PSDB em Goiás) dá provimento ao núcleo político da organização criminosa, dirige, age e interage na Saneago para beneficiar aliados políticos, direcionar contratos, abreviar pagamentos e percutir dinheiro para o PSDB e campanhas políticas".

O deputado Vecci não estava sob monitoramento. A competência para eventual

investigação sobre o parlamentar é exclusiva do Supremo Tribunal Federal. Ele caiu no grampo da PF indiretamente, como em 28 de setembro de 2015, quando recebeu telefonema de Afreni.

Nesta ligação, Vecci pede para o presidente do PSDB "conversar com Robson Salazar no sentido de que este pagasse José Celso (Gontijo), proprietário da JC Gontijo".

Antes mesmo, um áudio de 28 de agosto de 2015 pegou Salazar e Vecci, no qual o deputado pediu para o diretor de Gestão da Saneago "receber José Celso Gontijo na Saneago".

No dia 16 de setembro de 2015, Salazar recebe outro telefonema em que o deputado tucano diz "Tião Caroço e o Zé Celso estão esperando a contrapartida deles".

No mesmo dia, o empresário José Celso Gontijo "conversa com Robson Salazar, diz que já falou com Vecci e que tudo estava certo para a liberação da contrapartida da Saneago".

Em 28 de setembro de 2015, aponta a rede de grampos da PF, Vecci pede para Afreni "conversar com Robson Salazar para pagar o José Celso". Em outra ligação, o presidente do PSDB de Goiás conversa com Robson Salazar, que diz que 'está tudo certo'. No mesmo dia, Afreni em conversa novamente com o deputado afirma que "o JC Gontijo já foi pago".

Para os investigadores, "no contexto mais amplo no qual os fatos se inserem não se pode afastar o entendimento de que os valores recepcionados pelo PSDB fora a título de propina, ainda que sobe a forma de doação, porque disfarçadas do seu real propósito".

Em nota oficial, o deputado Giuseppe Vecci, do PSDB em Goiás, afirmou que não pediu "pagamento não devido, indevido, nem além do que era devido". O deputado enfatizou que pauta sua atuação, no exercício do mandato, "pelo respeito institucional".

O gerente de Marketing da JC Gontijo Engenharia, Marcos SantAna, informou que a empresa "não tem conhecimento" da investigação da Operação Decantação. "Informo que não temos conhecimento da investigação e, por isso, não podemos emitir qualquer tipo de posicionamento sobre o assunto."