24°
Máx
17°
Min

História será implacável com deputados que votarem contra impeachment, diz Aécio

Em um discurso relâmpago, de pouco mais de cinco minutos, em ato de sindicalistas pró-impeachment, o senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, disse que a história vai cobrar dos deputados brasileiros sobre o posicionamento deles em relação ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. "A história é implacável, vai escrever de forma definitiva o nome de cada parlamentar a partir do voto que dará", afirmou no palco do evento, na região central de São Paulo, ao que centenas de sindicalistas reagiam com gritos de "fora Dilma e fora PT".

Aécio repetiu que, em encontro com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e com governadores tucanos, nesta sexta-feira, o partido definiu a estratégia "100% impeachment". "Vamos atrás individualmente de cada parlamentar para dizer 'a vida te deu uma oportunidade de entrar para a história, entre pela porta da frente ou saia pela porta de trás junto com esse governo'", bradou. "Vamos buscar parlamentares nos Estados que governamos para dizer 'vamos dar uma chance ao Brasil'", reforçou.

O senador argumentou que é preciso "salvar o Brasil do desemprego e da irresponsabilidade" gerados pelo governo do PT. "Hoje o Brasil não está dividido ao meio, bobagem, isso é balela, 70% a 80% do Brasil pelo menos está do lado da mudança", afirmou.

O tucano lembrou ainda a campanha presidencial de 2014, acusando Dilma de ter enganado a população ao esconder a real situação da economia brasileira. "Não gostaria de ter sido o profeta que fui. Batemos na trave, chegamos perto e hoje a gente vê que nosso adversário não era uma coligação de partidos, mas uma organização que se incrustou para manter seu projeto de poder." Segundo ele, o governo petista tem um "projeto ideológico anacrônico e atrasado" que levou o Brasil a perder empregos em todos os setores e regiões.

Além de Aécio, outros tucanos estiveram presentes, como o ex-governador Alberto Goldman, o senador Aloysio Nunes, o líder do partido na Câmara, Antônio Imbassahy. O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) e o presidente do PPS, Roberto Freire, também participaram.

O ato foi organizado pelo deputado Paulinho da Força (SD-SP), aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).