23°
Máx
12°
Min

Impeachment de Dilma é necessário, diz presidente da SRB

(Foto: Lula Marques/ Agência PT) - Impeachment de Dilma é necessário, diz presidente da SRB
(Foto: Lula Marques/ Agência PT)

O presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Gustavo Diniz Junqueira, defendeu nesta quinta-feira, 25, o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). A posição do empresário é a primeira manifestação aberta de uma liderança não política do agronegócio pela saída de Dilma e coincide com a cruzada de movimentos pró-impeachment em busca de líderes setoriais que apoiem a causa.

"O impeachment da presidente Dilma é necessário para mostrar que não assistimos passivamente a destruição do País", disse Junqueira ao Broadcast Agro, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. "No fundo, não é só tirar a Dilma, que só é uma má gestora que está tentando gerir algo impossível. Tem de fazer uma reflexão que o regime de privilégio, de vantagens anacrônicas e irregulares não funciona", completou.

Em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, Junqueira afirmou que a manutenção de Dilma no cargo será desastrosa paro o País e também defendeu a saída da presidente. "O impeachment da presidente - ou sua renúncia, em gesto de reconhecimento de que sua gestão causa mais danos que ganhos - é um passo necessário para o País, apesar de não decisivo", relatou Junqueira.

O presidente da SRB evitou defender a substituição de Dilma pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB), ou mesmo a ascensão ao cargo do senador Aécio Neves (PSDB), derrotado por ela nas eleições de 2014. "É um movimento que precisa ser tomado com atitude e tem de seguir um ritual. Entendo que se o impeachment ocorrer até novembro, haverá uma nova eleição; se for depois, uma eleição indireta pelos deputados", avaliou.

O empresário disse, ainda, não se importar com o que a presidente achará sobre a defesa do impeachment e nem temer represálias do governo. "O que Dilma vai achar sobre defesa do impeachment? Que temos opinião séria sobre o Brasil. E não temo qualquer represália porque o único dinheiro que tomo do governo é crédito rural, um subsídio democrático para a produção que todos recebem com limites", completou.

A decisão de Junqueira de sair em defesa do impeachment teve o apoio de João Sampaio, ex-presidente e conselheiro da SRB e atual presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Cosag/Fiesp). Ao contrário Junqueira, Sampaio é ligado ao PSDB e colaborou na campanha de Aécio em 2014, além de ter sido secretário de Agricultura nos governos tucanos de José Serra (PSDB) e Geraldo Alckmin (PSDB), em São Paulo.

Sampaio disse ao Broadcast ser favorável ao impeachment e à posição de Junqueira porque "o governo precisa se mexer e infelizmente não mais tem condições para agir". Ainda segundo ele, após um ano e dois meses do segundo mandato da presidente Dilma, "única coisa que funciona bem no Brasil é a Operação Lava Jato (da Polícia Federal)", concluiu.

Sem unanimidade

A decisão do presidente de Gustavo Diniz Junqueira foi comunicada por ele na reunião do conselho da entidade da última segunda-feira, 22, mas não teve apoio unânime dos presentes.

Apesar de ninguém ter sido contra a publicação de artigo desta quinta-feira na imprensa, entre os mais de 20 conselheiros presentes no encontro alguns divergiram da posição pessoal de Junqueira.

Nas discussões, um ex-presidente da SRB, contrário ao impeachment, avaliou que Dilma é honesta, que não existem acusações para retirá-la do cargo e que um governo do PMDB, no caso do atual vice-presidente Michel Temer, seria pior.

Outros conselheiros temeram represálias do governo pela posição adotada pelo presidente SRB. No entanto, a maioria dos presentes, entre eles ao menos três ex-presidentes da entidade ruralista, defendeu Junqueira e o impeachment de Dilma.