27°
Máx
13°
Min

Justiça nega pedido de prisão preventiva de Tulio Bandeira, candidato à Prefeitura de Foz do Iguaçu

- Justiça nega prisão preventiva e manda soltar Tulio Bandeira

A Justiça não aceitou o pedido de prisão preventiva de Tulio Bandeira (PROS), candidato à Prefeitura de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná. O político foi solto tarde desta sexta-feira (23). A decisão é do juiz  Conrado Machado Simão, da Comarca de Brasnorte (MT). A Polícia Civil havia feito o pedido por meio do delegado Waner dos Santos Neves, responsável pelas investigações. 

A justificativa do magistrado para a soltura é de que "não há informação de perigo contra a sociedade ou instrução processual". Desde o último sábado (17), segundo o Código Eleitoral, candidatos às eleições municipais não podem ser detidos ou presos, a não ser em flagrante delito. No entanto, a medida de proteção não caberia neste caso, já que Tulio foi preso pela primeira vez no último dia 14.

À reportagem do Massanews, o delegado Neves informou que não comenta decisões judiciais. Disse, apenas, que o inquérito foi concluído e encaminhado ao Ministério Público (MP) para apreciação. Tulio Bandeira foi indiciado por extorsão, organização criminosa, incêndio e esbulho possessório, este último, caracterizado como invasão de propriedades mediante grave ameaça. 

O candidato a prefeito de Foz é acusado de ser o líder da quadrilha que invadia terras e expulsava assentados do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) com  bastante violência. “Colhemos o depoimento dele apenas uma vez, com a presença do advogado. Ele negou todas as acusações e disse que jamais contratou pistoleiros”, explicou Neves. Ainda conforme ele, provas e documentos juntados no decorrer da investigação, que já ocorre há alguns meses, comprovam as acusações contra o candidato. 

Tulio foi preso temporariamente em Foz do Iguaçu, enquanto participava de uma reunião de campanha. Ele não apresentou resistência e passou a noite na 6ª Subdivisão Policial (SDP). No dia seguinte, seguiu viagem rumo ao MT, onde foi levado à carceragem da delegacia de Brasnorte.

Depois, foi transferido para uma sala do Corpo de Bombeiros de Juína, município a cerca de 160 km de Brasnorte. “Como ele é advogado, houve a prerrogativa de prisão especial”, acrescentou o delegado. Cinco dias depois, a Justiça prorrogou a prisão. 

Por meio de nota, a assessoria do candidato informou que Tulio deve chegar nas próximas horas em Foz do Iguaçu. Ele vai se pronunciar, até segunda-feira (26), sobre a sua permanência, ou não na disputa para a vaga do Executivo municipal. "Por enquanto, não há qualquer informação sobre o assunto", finaliza.