22°
Máx
16°
Min

Mapa do Impeachment e Muro da Vergonha atraem manifestantes na Esplanada

O "Mapa do Impeachment" e o "Muro da Vergonha" são os dois pontos de encontro que mais atraem os manifestantes que chegam ao lado sul da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, reservado para os que apoiam o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O mapa foi montado pelo movimento "Vem pra Rua" em frente ao Congresso Nacional e se tornou o point dos manifestantes. Todos querem tirar fotos com o painel, que aponta neste momento 352 votos a favor da saída de Dilma. Manifestantes tiram selfies com plaquinhas nas mãos que estão sendo distribuídas na Esplanada com os dizeres "Tchau, querida".

Ali perto, ao lado do Palácio do Itamaraty, foi colocado o "Muro da Vergonha", com fotos de parlamentares indecisos ou contra o impeachment, que são chamados de traidores da pátria.

No lado sul da Esplanada, há muitas caravanas organizadas pelo setor agrícola e que tentam agitar o local, que ainda tem público longe dos 300 mil esperados pelos organizadores. De acordo com a Polícia Militar, são 3 mil presentes deste lado até agora.

O calor é intenso, o que, na avaliação dos vendedores presentes no local, atrapalha a ida dos manifestantes ao local. Os ambulantes reclamam que ainda não têm saída para seus produtos, mas esperam melhoras nas vendas perto do início das votações, marcado para as 14h.

Quem esperava vender bandeiras, chapéus e água já está tendo que diminuir o preço por conta da baixa demanda. Bandeiras que eram comercializadas por R$ 30 já são encontradas por R$ 10. Já o preço dos chapéus verde e amarelo caiu de R$ 25 para R$ 15.

Contra

Do lado norte da Esplanada, separado para quem é contra o impeachment, o movimento ainda é fraco, já que os manifestantes estão se concentrando a 6 quilômetros do local e deverão descer para próximo ao Congresso Nacional mais tarde. Cerca de 6 mil pessoas estão na concentração, de acordo com o último boletim da PM. Integrantes da União Nacional dos Estudantes puxam gritos de guerra próximo ao Ministério das Comunicações.