20°
Máx
14°
Min

Militares ficam 'muito preocupados' com confrontos entre grupos pró e contra Lula

(Foto: Fernanda Cruz/ Agência Brasil) - Militares ficam 'muito preocupados' com confrontos entre grupos pró e contra Lula
(Foto: Fernanda Cruz/ Agência Brasil)

Os primeiros sinais de confronto entre militâncias pró e contra o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, principalmente em São Paulo, deixou a cúpula militar "muito preocupada". Integrantes do Alto Comando das Forças Armadas consultados pelo jornal O Estado de S. Paulo defenderam que "as pessoas que têm responsabilidade de mobilização têm de exercê-la, no sentido de manter o País nos rumos do limite da normalidade social".

As afirmações são feitas pela preocupação com a incitação que poderá ocorrer pelas mídias sociais, por líderes petistas ou não petistas, incentivando confrontos ou violência por causa da nova fase da Operação da Polícia Federal, que fez buscas na casa de Lula, seus filhos e no Instituto Lula, e levou o ex-presidente para depor à PF.

Há um temor de que, ao longo do dia, os ânimos sejam acirrados e a tranquilidade de grandes cidades seja abalada. Por isso mesmo, os militares dizem que esperam, ainda, que os governadores dos Estados estejam preparados e prontos para impedir que ocorram atos de violência. "Nos preocupa muito que haja radicalismos e esperamos que não submetam a população ao enfrentamento em clima de radicalismo e truculência, que só vão gerar violência e não vão construir ou encontrar solução", comentou um oficial-general do Alto Comando das Forças Armadas.

A palavra de ordem para os militares é "legalidade" e "pacificação", além de acompanhamento da situação nos mais diversos pontos do País. A maior preocupação é que, em confronto dessa natureza, todos sabem como começa, mas não se sabe como termina. "As pessoas de responsabilidade têm de ter consciência de que este é um fato judicial", disse um oficial-general. "Nós não podemos transformar o Brasil em um País de nós contra eles, por conta de um processo que sempre vai deixar para as pessoas a possibilidade de se defenderem e saírem incólumes, defendidas, se este for o caso", prosseguiu o militar.

A torcida, na área militar, é pela "manutenção da estabilidade e da paz social", comentou outro oficial-general, lembrando que seria muito importante que as lideranças partidárias, sindicais e de todos os segmentos não alimentem o confronto entre as pessoas.