22°
Máx
17°
Min

MPF detalha esquema de propina que envolve o ex-ministro Guido Mantega

(Foto: Marcos Bezerra / Estadão Conteúdo) - MPF detalha esquema de propina que envolve Guido Mantega
(Foto: Marcos Bezerra / Estadão Conteúdo)

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, do Ministério Público Federal (MPF), em entrevista coletiva em Curitiba na manhã desta quinta-feira (22), afirmou que foi solicitada inicialmente a prisão preventiva do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega dentro da 34ª fase da Operação Lava Jato. No entanto, o juiz federal Sérgio Moro não acatou o pedido e posteriormente deliberou pela prisão temporária, que foi cumprida hoje.

Mantega e outros seis presos na operação devem chegar ainda nesta quinta-feira a Curitiba. Eles ficarão na superintendência da Polícia Federal no bairro Santa Cândida. O ex-ministro deve vir em um avião da Polícia Federal, que sai de São Paulo e passa pelo Rio de Janeiro antes de chegar no Paraná.

Os demais presos têm envolvimento com as empresas que formaram o consórcio que foi citado nesta operação da PF. Um dos alvos não foi encontrado e está na Espanha.

Outra informação revelada pelo MPF foi de que o empresário Eike Batista, da OSX Construção Naval - que integrou o consórcio com a Mendes Junior no contrato de plataformas de exploração do pré-sal - prestou depoimento voluntariamente sobre a propina relacionada a este caso. As informações repassadas por Batista reforçaram as investigações quanto à atuação de Guido Mantega no recebimento de recursos neste caso.

Esta foi apenas uma das vertentes do pagamento de propina, no valor de US$ 2,350 milhões, por parte da OSX Construção Naval. A movimentação foi realizada no exterior junto à empresa de publicidade de João e Mônica Santana, que já foram alvo da Operação Lava Jato. Estes recursos foram solicitados por Mantega para o PT e o pedido foi reforçado por Mônica.

(Foto: Marcos Bezerra / Estadão Conteúdo)(Foto: Marcos Bezerra / Estadão Conteúdo)

De acordo com o MPF, não está claro qual seria a motivação para o uso da propina. Cogita-se que o dinheiro seria utilizado no pagamento de despesas de campanha eleitoral.

Ainda conforme o MPF, Eike Batista foi ouvido como testemunha e forneceu todas as informações. Por isto, não foi solicitada a prisão dele. Mônica Santana não colaborou nas investigações desta fase da Operação Lava Jato. João Santana foi marqueteiro do PT.

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima afirmou ainda que, no caso do Batista, o mais importante são os documentos que ele entregou para a força-tarefa da Lava Jato. Além disto, chamou atenção o fato das empresas envolvidas neste esquema não terem capacidade técnica para cumprir o que previa o contrato.

A vertente de propina que relaciona Mantega é apenas uma relacionada à propina neste contrato com a Petrobras. Houve ainda pagamento pela empresa de João Augusto Resende, que trabalhava para o PSDB na Petrobras. Também houve a indicação de ligação com o ex-deputado federal pelo PT André Vargas. Neste caso, foi uma sequência da movimentação que o levou para prisão dentro da Lava Jato.

O MPF divulgou que foi identificada a transferência de R$ 7 milhões, entre fevereiro e dezembro de 2013, pela Mendes Junior para um operador financeiro, por meio de empresa de fachada. Também foi verificado um repasse de mais de R$ 6 milhões pelo Consórcio Integra Ofsshore com base em contrato ideologicamente falso firmado em 2013 com a Tecna/Isolux. Esta vertente estaria ligada com José Dirceu e de pessoas a ele relacionadas.

Ainda houve um repasse de cerca de R$ 10 milhões à Credencial Construtora, já utilizada pelo ex-ministro-chefe da Casa Civil para o recebimento de vantagens indevidas. Também foram identificados repasses de mais de R$ 6 milhões da Mendes Junior para empresas ligadas a um executivo do grupo Tecna/Isolux entre março de 2013 e junho de 2014.

Foram presos na 34ª fase da Operação Lava Jato

Guido Mantega

Luiz Eduardo Neto Tacha                        

Rubem Maciel Costa Val                        

Danilo Souza Baptista                        

Luiz Eduardo Guimarães Carneiro                        

Luiz Cláudio Machado Ribeiro

Francisco Corrales Kindelan

Alvo não encontrado: Júlio César de Oliveira Silva, que está na Espanha