22°
Máx
16°
Min

Não haverá trégua a um governo que não consideramos legítimo, diz Rui Falcão

Caso o impeachment seja aprovado pelo Senado e a presidente Dilma Rousseff tenha de deixar o poder, o PT fará forte oposição a um eventual governo comandado por Michel Temer, afirmou nesta terça-feira, 19, o presidente nacional da legenda, Rui Falcão, após encontro com dirigentes da sigla em São Paulo. "Não haverá trégua e nem estabilidade a um governo que carece de voto popular", disse.

Para Falcão, se Temer assumir o poder, o governo poderá ser classificado como antidemocrático, ilegítimo e ilegal. "Não será reconhecido por nós", afirmou. "Se essa hipótese venha a se confirmar, vamos combater esse programa de retrocesso, de cancelamento de direitos sociais e de privatizações", acrescentou. Apesar de considerar esta possibilidade, Falcão disse acreditar que o impeachment será rejeitado pelos senadores. "O PT não vai permitir que um cara sem voz e traidor retire os direitos dos trabalhadores desse País", disse.

Para ele, o Senado rejeitará o impeachment porque, dessa vez, haverá uma mobilização maior e mais intensa dos movimentos sociais e sindicais simpáticos ao governo de Dilma Rousseff. "Está ficando mais nítido para a sociedade o que representa esse golpe", disse Falcão. "E começa a pesar sobre aqueles que se associaram ao golpe um certo 'envergonhamento' de verem Cunha (Eduardo Cunha, presidente da Câmara) e Temer juntos", afirmou. Segundo ele, movimentos sociais e sindicais devem aproveitar o dia 1º de Maio, feriado referente ao Dia do Trabalho, para realizar um grande ato contra o impeachment.

Questionado sobre a possibilidade de Dilma continuar no poder e ter de governar com o apoio de menos de um terço da Câmara, Falcão limitou-se a dizer que a presidente está há um ano e meio no seu segundo mandato e realizou "coisas importantes com este parlamento que está aí". Para o presidente do PT, o baixo nível demonstrado pela sessão da Câmara no domingo, que ele chamou de "circo de horrores", reforça a necessidade de uma reforma política e eleitoral.

De acordo com o presidente nacional do PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que participou do encontro mais cedo, não deu nenhuma orientação sobre quais devem ser os próximos passos do partido em meio à crise. "Ele disse que temos de continuar lutando, de que não há derrota, de que só existe derrota antecipada para aqueles que não lutam", afirmou. Segundo Falcão, Lula falou por mais de uma hora. "Foi emocionante, alguns companheiros chegaram a chorar", contou.

Após a coletiva, o PT distribuiu um documento no qual resume o que foi debatido no encontro. O texto diz que a admissão do processo de impeachment na Câmara representa "um golpe contra Constituição". Afirma também que "as forças provisoriamente vitoriosas expressam coalização antipopular e reacionária". Numa menção à presidente, o partido manifesta "irrestrita solidariedade à companheira Dilma Rousseff", "que não cometeu qualquer crime e contra a qual não pesa nenhuma acusação de corrupção".

O texto recomenda ainda que a presidente Dilma Rousseff reorganize imediatamente o seu ministério, com "personalidades de relevo e representantes de agrupamentos claramente comprometidos com a luta antigolpista, além de incorporar novos representantes da resistência democrática".