22°
Máx
14°
Min

Não viemos disputar número, diz Alexandre Padilha, em ato na Paulista

O secretário de Relações Institucionais da Prefeitura de São Paulo, o ex-ministro Alexandre Padilha (PT) participa na noite desta sexta, 18, do ato realizado na Av. Paulista contra o impeachment da presidente Dilma. Questionado a respeito da presença de um público menor hoje em comparação ao do último domingo, contra o governo, ele minimizou o fato. "Não viemos disputar número", disse.

Ele argumentou que a manifestação de domingo contou com a "mobilização da Globo" e metrô de graça. Ainda segundo o petista, a oposição "chocou o ovo da serpente da intolerância". "A oposição não tem uma liderança para construir um projeto de País."

Ambulantes

Vendedores ambulantes que também estiveram no protesto contrário ao governo no domingo lamentam as vendas mais fracas no ato de hoje na Paulista. Alguns deles informaram que chegaram a abaixar o preço para atrair mais clientes. Um deles que preferiu não se manifestar disse que o público é "mais humilde". "Aí, por exemplo, a água, que eu vendia a R$ 5 no domingo, hoje eu vendo a R$ 3", disse. Gilmar também contou que o público de domingo era mais "diferenciado". Quando o assunto era cerveja, ele só vendia Heineken. Hoje, optou por trazer Skol.

O pipoqueiro Yang Kauae, de 21, também lamentou a menor demanda do protesto desta sexta-feira. Ele estima que, no domingo, faturou cerca de R$ 3 mil. "Hoje, foram só R$ 200, por enquanto", disse.

O vendedor Geraldo Cardoso, de 45 anos, tem tido mais sorte. Ele disse que, embora o público de hoje seja menor, o público de domingo era "mais fresco". "Em vez de comprar uma água comigo, eles preferiam comprar água na Starbucks", lamentou.

Segundo os organizadores do ato de hoje, há cerca de 200 mil pessoas na Av. Paulista. No último domingo, o protesto contrário ao governo de Dilma Rousseff reuniu, segundo a PM, cerca de 1,4 milhão de pessoas.