22°
Máx
16°
Min

Nilton Beckers e Rodrigo Becker são chamados para depor na CPI da Pecúlio

Foto: CMFI - Nilton Beckers e Rodrigo Becker são chamados para depor na CPI da Pecúlio
Foto: CMFI

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu continua os trabalhos de apurar as irregularidades em contratos da prefeitura, por meio de uma CPI. Nesta terça-feira (07), mais dois dos envolvidos foram convocados para prestar esclarecimentos à investigação.

Nilton João Beckers e Rodrigo Becker. Os dois ainda estão presos, por meio de mandados preventivos, expedidos pela justiça. Nilton é empresário e Rodrigo era secretário de planejamento do município. Os questionamentos aos envolvidos no escândalo da Operação Pecúlio não serão abertos à imprensa.

A Comissão Parlamentar de Inquérito que averigua as denúncias deflagradas pela Operação Pecúlio, presidida pelo Vereador Dilto Vitorassi (PV) e composta pelos parlamentares: Edílio Dall´Agnol (PSC) – Relator e Nilton Bobato (PCdoB).

Na segunda-feira (06) o ex-secretário de obras, Evori Roberto Patzlaff e o atual Diretor de Pavimentação, Rui Alberto Hauenstein, foram ouvidos. Rui prestou depoimento como testemunha.

Depois das oitivas o vereador Dilto Vitorassi (PV) destacou “O depoimento do Evori demonstrou que não se tinha controle na coisa pública e até uma incapacidade administrativa. O depoimento do Rui, Diretor de Pavimentação, demonstrou que a Prefeitura não tem a mínima capacidade de administração e parece que não faz questão de se organizar”.   

Para o Vereador Nilton Bobato (PCdoB), o depoimento de Rui Hauenstein “demonstrou que a Prefeitura não tem controle das medições”.

Sobre o depoimento do Ex-secretário de Obras, Evori Roberto Patzlaff, Bobato enfatizou que “faltaram vários esclarecimentos, ou ele não prestava atenção a algumas questões da Secretaria de Obras ou realmente a prefeitura não tinha controle sobre algumas medições”.   

O advogado de Evori Patzlaff, Dr°. Kaio Veloso, afirmou que “o depoimento de Evori foi esclarecedor. As questões apresentadas pela Comissão foram esclarecidas por ele. A parte técnica da atuação dele na Secretaria de Obras ele deixou bem claro”.

A prefeitura não se manifestou sobre as declarações dos envolvidos.

Colaboração: Assessoria CMFI