23°
Máx
12°
Min

Número de manifestantes na Esplanada está aquém do esperado pela PM

(Foto: Andre Borges/ Agência Brasília) - Número de manifestantes na Esplanada está aquém do esperado pela PM
(Foto: Andre Borges/ Agência Brasília)

Na Esplanada dos Ministérios dividida ao meio por um muro de metal, o número de manifestantes está muito aquém do esperado pelo policiamento. De acordo com o coronel Antônio Carlos Freitas, chefe da Polícia Militar de Brasília e responsável pela segurança no local, as manifestações dos lados contra e a favor do impeachment ocorrem de forma pacífica e não foi registrado nenhum incidente de violência.

O coronel Freitas disse que fará um novo sobrevoo na Esplanada para estimar o número de manifestantes. Mais cedo, a PM disse que havia 3 mil pró-impeachment e 7 mil contrários desceram em marcha pela Esplanada, mas, neste momento, o coronel acredita que o número de favoráveis à saída de Dilma Rousseff já ultrapassou o de simpatizantes. A expectativa é que mais gente chegue ao local na medida em que a votação no plenário da Câmara dos Deputados avance.

As revistas feitas pelos policiais em quem chegava ao local encontraram apenas objetos já esperados pelos militares, como rojões, máscaras, paus de bandeiras, que não eram permitidos. Não foram apreendidas armas.

Duas pessoas foram presas em flagrante nas proximidades do local furtando veículos. Hoje pela manhã, em uma varredura na Esplanada, foi encontrada uma caixa com fogos de artifício.

Houve um acerto de que o grupo perdedor deixará primeiro a Esplanada e, somente depois da completa dispersão, o segundo grupo poderá deixar o local, para evitar confrontos. A PM reforçou com 500 homens o policiamento da Rodoviária, que é o ponto que pode haver maior tensão entre os dois lados.

Tchau Querida

A cada voto que for dado a favor do impeachment da presidente Dilma, os manifestantes que estão na Esplanada dos Ministérios vão levantar um cartaz com uma mão que tem o dizer "Tchau querida". A orientação está sendo dada pelos organizadores do movimento que distribuíram mais de 20 mil panfletos em formato de mão na Esplanada. O movimento organizado pelo Vem pra Rua também prepara para o final da votação jogar rosas brancas do alto do carro de som. A votação do plenário da Câmara será transmitida ao vivo em telões instalados na Esplanada.

Mais cedo, os manifestantes cantaram o hino nacional e foi o momento mais tenso na Esplanada. O canto foi puxado pelo grupo pró-impeachment e os manifestantes do lado contrário começaram a gritar fortemente. Nesse momento, o grupo pró-impeachment foi na direção do muro de contenção que separa os dois movimentos. A organização teve que pedir para que as pessoas não caíssem na "provocação do PT". O movimento foi contido e, na sequência, os manifestantes cantaram e dançaram um sambinha contra a presidente Dilma e o PT.

Palácio do Alvorada

A segurança da Presidência da República dificultou o acesso dos jornalistas aos visitantes do Palácio do Alvorada, residente da presidente Dilma, e do Jaburu, onde vive o vice-presidente Michel Temer.

Diferentemente dos outros dias, a identificação de quem visita a Dilma ou o Temer é feita em um local longe dos olhos dos repórteres e a passagem da imprensa foi bloqueada. Está proibido ainda o acesso ao banheiro e à sala de imprensa, que geralmente é liberado.