20°
Máx
14°
Min

Operação deixa Planalto e PT apreensivos

O pedido de prisão do marqueteiro João Santana preocupa o Palácio do Planalto e a cúpula do PT. O governo agora bate na tecla de que não há como associar a investigação da 23ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Acarajé, à campanha pela reeleição de Dilma Rousseff, em 2014. Nos bastidores, porém, auxiliares da presidente afirmam que por trás dessas acusações está a tentativa de alimentar o impeachment.

Ministros do PT passaram o dia lembrando que, nas páginas 59 e 60 da representação encaminhada à Justiça Federal, o delegado Filipe Hille Pace diz que "não há, e isto deve ser ressaltado, indícios de que tais pagamentos (pelos serviços de Santana) estejam revestidos de ilegalidades". O trecho também consta de uma nota divulgada à noite pelo advogado Flávio Caetano, coordenador jurídico da campanha de Dilma.

A ideia inicial do Planalto era que a nota fosse anunciada pela Secretaria de Comunicação Social do Governo (Secom), comandada pelo ministro Edinho Silva, que foi tesoureiro da campanha de Dilma. O plano foi abortado, no entanto, para não levar a crise para dentro do Palácio do Planalto.

O texto original dizia que "em decorrência dos seus serviços profissionais prestados à campanha eleitoral da então candidata a presidente Dilma Rousseff, as empresas do publicitário João Santana receberam o pagamento de R$ 88.900.000,00". Na nota divulgada, porém, o valor foi corrigido para "cerca de R$ 70 milhões". O dado consta da prestação de contas apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Esse valor, por si só, demonstra que o pagamento feito ao publicitário se deu de forma legal e absolutamente transparente", afirmou Caetano.

Embora a representação à Justiça Federal destaque não haver indícios de ilegalidades nos pagamentos feitos a Santana para as campanhas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006, do prefeito Fernando Haddad, em 2012, e de Dilma, em 2010 e 2014 - totalizando R$ 171.552.185,00 -, um trecho chamou a atenção do Planalto. Nele, o delegado Pace diz que "há forte probabilidade de que a destinação, de maneira oculta e dissimulada, de recursos espúrios da corrupção na Petrobras" a Santana e sua mulher, Mônica, no exterior, "possui vinculação direta aos serviços por eles desempenhados em favor do PT". "Há um esforço desmedido e ilegal de agentes públicos para atingir o mandato da presidente Dilma e o ex-presidente Lula. Isso é evidente", comentou o líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA).

O presidente do PT, Rui Falcão, por sua vez, destacou que "o PT não tem marqueteiro. Contrata as pessoas para fazer programas. Isso não diz nada com relação ao PT". (Colaboraram Beatriz Bulla e Daiene Cardoso)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.