22°
Máx
17°
Min

Para Moro, País deve tratar de questões "contra ódio"

(Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil) - Para Moro, País deve tratar de questões "contra ódio"
(Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)

O juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, recomendou nesta quarta-feira, 11, que o País deve tratar das questões "contra o ódio". O magistrado sugeriu calma ante "ânimos inflamados".

Moro disse que considera fundamental que "num momento político tumultuado as pessoas pensem de forma apartidária e com tolerância", em sua participação no Simpósio Comemorativo dos 50 anos do Direito da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no Paraná.

Ex-aluno da UEM, Moro afirmou ainda que o País não deve desprezar o combate aos malfeitos. "Devemos continuar sendo intolerantes em relação a esses esquemas de corrupção sistêmica."

O juiz sugeriu à plateia que proceda com "racionalidade e sem rancor no coração". Pregou que todos devem evitar "ódio a quem cair na tentação de cometer esse tipo de crime (corrupção)".

Ao abordar o que chamou de "quadro de corrupção sistêmica", Moro disse que o poder público "não é o único vilão". "A corrupção envolve quem paga e quem recebe", afirmou. "Você quer mudar o País, quer superar a corrupção sistêmica? Não pague propina."

Enquanto Moro discursava na Faculdade de Direito, o Senado discutia a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Durante mais de 20 horas, entre quarta-feira e as 6h33 de ontem, os parlamentares discutiram e votaram o afastamento da petista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.