20°
Máx
14°
Min

PF pede todos os contratos da Tecnologia da Informação da BR Distribuidora

A Polícia Federal (PF) quer analisar todos os contratos do setor de Tecnologia da Informação (TI) da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, no período de 2008 e 2014. As empresas contratadas por este setor da estatal petrolífera seriam indicadas pelo senador Valdir Raupp (PMDB/RO).

A Operação Lava Jato abriu novo inquérito para investigar um suposto esquema de corrupção na contratação de fornecedores para a área de TI da Distribuidora. A PF quer saber valores, objetos dos contratos, prazos e a identificação dos executivos da estatal que atuavam no setor naquela época.

"Expeça-se oficio à BR Distribuidora, solicitando enviar planilha de todos os contratos da área de Tecnologia da Informação, com valores, objetos, prazo, pessoal interno envolvido, dentre outras informações que entenderem úteis, no período de 2008 a 2014, bem como as normas de contratação vigentes neste período", determinou o delegado federal Roberto Biasoli em Portaria de 19 de setembro.

O novo inquérito da Lava Jato tem como ponto de partida a delação premiada do ex-diretor financeiro da BR Distribuidora Nestor Cerveró - também ex-diretor da área Internacional da Petrobrás. Cerveró relatou que as empresas de TI da subsidiária da estatal petrolífera eram indicadas pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO).

O depoimento de Cerveró, anexado ao novo inquérito, foi tomado no dia 8 de dezembro de 2015. O delator afirmou que o gerente executivo da BR Distribuidora, Nelson Cardoso, é "afilhado político" de Valdir Raupp. "Nelson usava uma estratégia para dividir contratos e valores para que passassem abaixo do limite de valor de R$ 1 milhão, que por isso não precisavam da decisão da Diretoria da BR", relatou Cerveró.

"O grande número de contratos da BR é de pequena monta; que havia muitos contratos que Nelson negociava e que ficavam abaixo do limite de competência da Diretoria (R$ 1 milhão); que a maioria dos contratos era de contratação de mão-de-obra e o Nelson é quem gerenciava isso", disse o ex-diretor no seu depoimento.

Em investigação que corre no Supremo Tribunal Federal (STF), Raupp foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por propina de R$ 500 mil supostamente desviados de contratos da Petrobrás. O peemedebista, que tem foro privilegiado, é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo informações das delações premiadas do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e do doleiro Alberto Youssef, o dinheiro chegou aos cofres da campanha de Raupp por meio de uma doação legal da construtora Queiroz Galvão e pela Vital Engenharia.

Defesas

"O senador Valdir Raupp informa que jamais indicou empresas de tecnologias da informação para prestação de serviços na BR Distribuidora. São acusações infundadas que fazem parte da chamada 'indústria da delação' que se instalou no país", disse a assessoria do parlamentar por meio de nota.

A BR Distribuidora também divulgou nota: "Em resposta ao 'Estado de S. Paulo', a Petrobras Distribuidora informa que colabora com investigações da Operação Lava-Jato e que está à disposição das autoridades para fornecer quaisquer informações sobre os contratos", diz o texto.