22°
Máx
16°
Min

Planalto comemora vitórias no Congresso

A assessoria do Palácio do Planalto usou sua conta no Twitter para comemorar a aprovação no Senado da Medida Provisória que reduziu, de 32 para 24, o número de ministérios. "Aprovação representa vitória do governo nas votações do ajuste fiscal", diz a mensagem, depois de lembrar que esta foi a primeira MP editada pelo presidente Michel Temer.

A votação desta quinta-feira, dia tradicionalmente vazio no Congresso, foi comemorada pelo governo, que torcia também pela aprovação do PPI - Programa de Parcerias e Investimentos, confirmada pouco depois. A torcida passou, então, para que caísse a votação do aumento dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, por causa do efeito cascata que ele provoca, aumentando, em muito, os gastos do governo. O adiamento por Renan, à noite, foi considerado mais um dado positivo para o Planalto.

Temer passou a tarde acompanhando pela televisão a sessão e, agora à noite, estava em seu gabinete com o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira. Mais cedo, almoçou com o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que lhe assegurou que o quórum seria alto permitiria a votação e aprovação dos textos. O presidente telefonou para o presidente do Senado, Renan Calheiros, de quem se aproximou mais um pouco, durante a viagem à China.

Apesar deste noticiário positivo, que se soma à decisão do ministro do STF, Dias Toffoli, de suspender a liminar que ele mesmo havia dado garantindo Ricardo Melo na EBC, o governo teve de lidar com outro problema no final do dia, com as declarações do ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que disse que o governo pretende limitar a jornada de trabalho a 48 horas semanais (44h regulares e 4h extras), com um teto de 12 horas diárias. O governo ficou "muito irritado" com as declarações dadas e mandou que ele desmentisse e explicasse a proposta efetiva. (Tânia Monteiro)