28°
Máx
17°
Min

PRB rejeita Ministério do Esporte e aguada nova oferta de Temer

A bancada do PRB no Congresso Nacional recusou a oferta do vice-presidente Michel Temer para que o partido indicasse o ministro do Esporte de seu futuro governo, informou nesta terça-feira, 10, o presidente nacional da legenda, o advogado Marcos Pereira. O dirigente aguarda nova oferta do peemedebista para que o partido participe da administração do vice. Com a negativa, ainda não há definição sobre a Pasta.

Temer ofereceu o Esporte ao PRB, após decidir fundir o Ministério da Ciência e Tecnologia, Pasta até então destinada ao partido, com as Comunicações. A fusão faz parte da estratégia do peemedebista de reduzir o número de ministérios de seu futuro governo. A Pasta resultante da fusão deverá ficar com o PSD, que indicará como ministro o presidente do partido, Gilberto Kassab. O dirigente comandou o Ministério das Cidades no governo Dilma.

Marcos Pereira afirmou que a bancada da Câmara recusou a oferta do Ministério do Esporte, entre outros motivos, por acreditar que as Olimpíadas de 2016 no Rio, principal vitrine da Pasta, poderá ter problemas. "Além disso, a pessoa que sabia lidar com tudo isso saiu do partido", disse, referindo-se ao ex-ministro do Esporte de Dilma George Hilton (MG), que migrou do PRB para o PROS após seu antigo partido deixar a base aliada da petista.

O objetivo inicial do PRB era tentar ficar com o Ministério da Agricultura, que foi oferecido ao PP. Para demover o partido de Pereira da ideia, Temer chegou a oferecer outros dois ministérios (Previdência Social e Portos) ao PRB, antes de a sigla finalmente aceitar Ciência e Tecnologia. O partido indicaria Marcos Pereira para o posto. O nome dele enfrentou resistência na comunidade acadêmica, pelo fato de ser bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus.

Procurados, aliados do vice-presidente Michel Temer disseram que ainda não decidiram quem ficará com o comando do Ministério do Esporte. A Pasta também chegou a ser oferecida ao PMDB do Rio de Janeiro, que pretendia indicar o líder do partido na Câmara, deputado Leonardo Picciani (RJ), para o cargo. O parlamentar fluminense ficou irritado ao saber da oferta de Temer ao PRB.