24°
Máx
17°
Min

Prefeito afirma 'ter honra de ter governado' a cidade

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), lamentou o fato de a eleição municipal ter acabado no primeiro turno e disse que, mesmo derrotado, sua administração deixou um legado para a cidade que vai beneficiar as futuras gerações.

Em pronunciamento no Diretório Municipal do PT, Haddad evitou fazer uma análise do resultado eleitoral, afirmou que sua campanha enfrentou muitas dificuldades e que telefonou para o prefeito eleito, João Doria (PSDB), para se colocar à disposição no período de transição.

"Tenho a maior honra de ter governado a cidade de São Paulo. Saio da Prefeitura com a mesma sensação de dever cumprido com que deixei o Ministério da Educação. Tenho certeza de que estamos deixando um legado aqui para a cidade de São Paulo que vai ser preservado. Um número muito expressivo de cidadãos consegue perceber a diferença que isso faria se esse legado for preservado", afirmou.

Cercado de assessores e aliados, como os secretários José Américo (Relações Institucionais), Jilmar Tatto (Transporte) e Chico Macena (Subprefeituras), além dos presidentes estadual e municipal do PT, Emídio de Souza e Paulo Fiorilo, Haddad reconheceu as dificuldades de uma campanha em meio ao rescaldo do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e denúncias de corrupção contra lideranças do PT.

"Obviamente, gostaríamos de enfrentar um segundo turno para que esse projeto fosse defendido em igualdade de condições. Não tivemos essa oportunidade. Defender um projeto de transformação em condições tão adversas foi muito difícil. A nossa expectativa era não só chegar em segundo lugar, como conseguimos, mas levar a disputa para o segundo turno de maneira a permitir que o cidadão confrontasse duas visões diferentes de cidade. Era o nosso objetivo central tamanha a confiança que nós temos de que estamos executando um trabalho para as futuras gerações", declarou. Centenas de militantes petistas, maior parte jovens, foram ao local para demonstrar solidariedade ao prefeito. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.