22°
Máx
17°
Min

Presidente atua para atrair adversários interno no partido

O presidente em exercício Michel Temer busca atrair grupos do PMDB que sempre foram seus adversários na legenda. Forças regionais antes críticas do comando peemedebista aderiram ao governo. "Sou dissidente há 13 anos, mas disse a ele (Temer) que vou defendê-lo", afirmou o deputado Jarbas Vasconcelos (PE). "O partido tem o presidente da República. Não é mais coadjuvante. Quem não se engajar nisso vai ficar no meio da rua", completou.

Na Câmara, Temer tem construído essa unidade ao conceder postos estratégicos a antigos dissidentes. O Rio Grande do Sul ganhou um ministério, o do Desenvolvimento Social, com Osmar Terra. Duas vice-lideranças do Estado foram dadas a deputados gaúchos, Alceu Moreira e Darcísio Perondi. Caberá a Perondi a relatoria do principal projeto a ser votado neste ano, a proposta que estabelece um teto para o crescimento dos gastos públicos.

Outro caso é o do ex-líder Leonardo Picciani (RJ), que votou contra o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, mas virou ministro do Esporte. No Senado, Temer tem atendido ao desafeto Renan Calheiros (AL), presidente da Casa, e encampou sua Agenda Brasil, com propostas para reaquecer a economia.

Fora do Congresso, atendeu à reivindicação dos governadores de renegociar suas dívidas. Dos 26 governadores, sete são do partido. "Temer nos ajudou a reequacionar as finanças do Estado", disse o presidente do PMDB-RJ e da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani. "Agora, com liderança nacional, o PMDB pode estabelecer uma linha de comando." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.