27°
Máx
13°
Min

Procurador afirma que presidente não está 'imune' às investigações

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta quinta-feira, 17, que "ninguém está imune" a uma investigação ao ressaltar que vai examinar as suspeitas de que a presidente Dilma Rousseff teria agido para obstruir a Justiça. "Nosso trabalho é republicano. Não há pessoa fora de investigação", declarou nesta quinta-feira, 17, em Berna, na Suíça.

O procurador já havia apontado nessa direção na quarta-feira em Paris diante de novo conteúdo da delação premiada do senador Delcídio Amaral revelado pelo site da revista Veja. Agora, seus assessores indicam que a possibilidade foi reforçada com a divulgação do telefonema entre a presidente Dilma e o ex-presidente e o ministro da Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva.

Janot voltou a repetir o termo "republicanamente" ao ser questionado sobre o andamento das investigações da Operação Lava Jato. "Temos que analisar o que temos, analisar o que está nas delações premiadas e ai, tecnicamente, vamos tomar uma decisão. Não há uma decisão de instaurar e nem de arquivar. Nós vivemos em uma república e ninguém está nem acima e nem abaixo da lei. Todos devem ser tratados republicanamente", disse. O mesmo termo foi usado para falar da tecnicidade a ser empregada na análise das suspeitas que envolvem o ex-presidente Lula, hoje ministro da Casa Civil, na Lava Jato.

O procurador reiterou que o Ministério Público só vai agir com base em fatos jurídicos. "O MP não age politicamente. Será algo técnico", afirmou. Questionado se ser presidente blindaria a presidente Dilma de um inquérito, ele respondeu: "De jeito nenhum, de jeito nenhum".

Gravações

Janot passou parte da madrugada de quarta para quinta-feira num dos restaurantes do hotel onde está hospedado na Suíça, escutando aos trechos das gravações e as reações das ruas após a divulgação do conteúdo dos grampos da conversa entre a presidente Dilma e Lula. Ao lado de dois assessores, foi para o quarto perto da 1 da manhã. "Dormi pouco", disse na manhã seguinte.

Questionado se havia escutado às gravações das conversas de Lula, ele ironizou: "qual delas? Eu nem consegui ler os jornais. É muita coisa".

Os investigadores da força-tarefa da Lava Jato acreditam que um dos trechos da conversa entre a presidente e Lula evidencia que a petista nomeou o ex-presidente como ministro-chefe da Casa Civil numa tentativa de evitar que ele fosse investigado na primeira instância sob a responsabilidade do juiz federal Sérgio Moro, considerado mão pesada. Dilma rebateu, no entanto, a tese, afirmando que ela nem sequer havia assinado a nomeação no momento em que conversava ao telefone com ele. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.